Facebook 8 horas

Qual é o objetivo da Disciplina Positiva?

disciplina positiva

Você sabe como educar os filhos utilizando da disciplina positiva e as bases da parentalidade consciente? Você tende a apontar mais frequentemente as características positivas ou negativas do seu filho?

A disciplina positiva foca no encorajamento da criança, mas não significa ser sempre otimista, nem ignorar problemas ou mimar as crianças com elogios excessivos. O objetivo é agir com discernimento, não criticar e focar no encorajamento.

A disciplina positiva, base para a parentalidade consciente, exige reconhecimento da natureza dos nossos filhos e uma busca ativa em fazer diferente do que estamos acostumados a agir com os nossos filhos.

A disciplina positiva tem o objetivo encorajar crianças e adolescentes a tornarem-se responsáveis, respeitosos, resilientes e com recursos para solucionarem problemas da vida de forma segura. E se a relação é segura, estamos falando do desenvolvimento de uma relação de Apego Seguro.

A teoria do apego e a disciplina positiva- Educadora Parental

A teoria do apego  não pode passar a ideia de que as crianças que são criadas sob esta filosofia são apegadas e dependentes. Ter este conceito é ter certeza que não conhece essa filosofia, baseada em ciência e com inúmeros artigos que a suportam.

A parentalidade consciente e a teoria do apego são sinônimos de criação com afeto, vínculo, disponibilidade, empatia, criação com segurança emocional. O apego seguro é a posição dos pais com relação aos filhos. É sobre empatia e compaixão.

Não é uma tarefa fácil e, por isso, é preciso que seja realizada com equilíbrio para que a criança não se torne mimada.

A criação com apego é a criação de seres seguros, autoconfiantes e empáticos, justamente porque eles são ensinados a terem segurança emocional. E isso acontece porque os pais passam a ter consciência que são o espelho para seus filhos. E que, se desejam que tenham tantas virtudes, devem ter estas virtudes como base do seu relacionamento com o filho.

Como melhorar o sono do bebê com apego seguro e presença

Nos primeiros anos de vida a criança precisa se sentir segura e protegida, e isso significa que não dormem sozinhos.

As vezes isso pode ser um problema para os pais por causa da privação do sono ao longo do dia. Mesmo assim, é normal que os pais acordem várias vezes durante a noite para cuidar do bebê.

Porém, é preciso saber como cuidar do bebê e das suas necessidades. Mas onde entra a parentalidade consciente e a teoria do apego aqui? A disciplina positiva e a teoria do apego são aplicadas mesmo antes da criança nascer e leva-se isso até a sua fase adulta, com o objetivo de formar seres humanos mais empáticos, independentes e autoconfiantes.

Após o parto, os pais precisam saber o motivo pelo qual o bebê está chorando. É fome, sede, desconforto, cansaço, necessidade de companhia, de calor, de contato? Essas dúvidas são normais.

É necessário interpretar, dia a dia todas as necessidades do bebê: com foco na criança, não na nossa ansiedade como pais. As crianças nos guiam, nos direcionam com o volume do choro, com ruídos diferentes, com movimentos… comunicando desde que eles nascem. É um estreitamento da relação! Os pais passam a atender as necessidades da criança até o momento em que essas necessidades são atendidas e sanadas, cada vez sendo atendidas de forma mais fácil e organizada.

Tudo isso faz parte do processo de parentalidade consciente e da teoria do apego. Lembrem-se de adotar uma postura amorosa e empática com os filhos.

Quer saber mais sobre disciplina positiva, educadora parental, como educar os filhos, parentalidade consciente e a teoria do apego? Entre em nosso blog.

Parentalidade consciente – Educar com disciplina positiva?

parentalidade consciente

A Disciplina positiva tem como objetivo criar pessoas íntegras, empáticas, saudáveis e felizes. Ela garante educação, autoconfiança, autoestima, integridade e uma pessoa mais ciente dos limites que existem na sua vida.

Criando com apego torna as crianças mais independentes e capazes de tomar decisões. A teoria do apego ajuda a criança a desenvolver sua empatia, autorrespeito, a incentiva a pensar, a respeitar o limite do outro (uma vez que seus limites são respeitados) e aprende a se escutar e escutar os outros, entre outros benefícios.

A Parentalidade positiva consciente prepara mãe e pais para o nascimento e para o desenvolvimento da criança. Vamos falar mais um pouco sobre como educar com disciplina positiva?

Teoria do apego e a disciplina positiva

A Parentalidade consciente significa assumir responsabilidades e comportamentos para otimizar o crescimento e estimular o desenvolvimento emocional da criança, respeitando a sua integridade enquanto ser único e independente.

Garantir as necessidades da criança em cada uma de suas fases de desenvolvimento é importante e a teoria do apego trabalha isso juntamente com a disciplina positiva. Ela auxilia os pais a estreitar os vínculos com os filhos, respeitando suas necessidades e ajudando a desenvolver a empatia, compaixão ao próximo, a autoconfiança e a autoestima.

Nesse mesmo assunto, podemos falar, também, da educadora parental. Essa pessoa tem como objetivo orientar os pais nos seus primeiros passos com a comunicação mais empática e amorosa com seus filhos. O educador parental consegue enxergar a necessidade da criança por trás de um comportamento desafiador, auxiliando aos pais a entenderem como acessar melhor aquela criança, desenvolvendo assim uma relação respeitosa e amorosa. Falamos melhor sobre a educadora parental na seguinte postagem.

Dimensões da Parentalidade Consciente– Disciplina positiva

A validação das emoções (todas são importantes) e o saudável relacionamento consigo mesmo e, consequentemente, relacionamento social, para a manutenção da integridade emocional da criança. Para trabalhar a parentalidade consciente e positiva, é necessário que os pais aprendam as 5 dimensões da mesma:

  1.   Conhecer as necessidades físicas das crianças.
  2.   Promover a segurança da criança.
  3.   Promover o desenvolvimento, comportamento e a estimulação da criança.
  4.   Comunicar de forma positiva e não violenta.
  5.   Exercer sua liderança empática.

A Parentalidade consciente e positiva surgiu com a necessidade de encontrar estratégias de lidar contra a violência e maus tratos infantis tendo como base o trabalho desenvolvido junto dos pais/cuidadores. 

O objetivo da educação consciente é trabalhar o comportamento dos progenitores visando os interesses e direitos das crianças. Lembrando que é importante focar na relação de respeito, pois ela enxerga os limites da criança, o que a possibilita perceber e respeitar os limites sociais, habilidade imprescindível para se tornarem ‘parte’ saudável na sociedade.

Compreender a natureza dos filhos, entender as características da sua fase de desenvolvimento, agir com empatia, respeitar os seus sentimentos, investir na qualidade do vínculo, direcionar e promove segurança sem castigar, deixá-los aprender com experiência e escolhas e a importância da comunicação são algumas estratégias que podemos aprender com a parentalidade consciente.

A disciplina positiva é uma das filosofias mais conhecidas na educação parental e é amplamente compartilhada permitindo que o adulto tenha expectativas reais em relação ao comportamento da criança e saiba lidar melhor com seus desafios.

Quer saber mais sobre Parentalidade consciente, teoria do apego, disciplina positiva e criação com apego? Entre em nosso blog.

Quais os pilares da disciplina positiva?

Educar os filhos é uma grande responsabilidade e pode ser um grande desafio para os pais. Existem várias abordagens existentes de educação. A disciplina positiva está em destaque e seus benefícios são comprovados cientificamente.

A educação positiva aposta na firmeza, com gentileza, nas relações com os filhos. Não usar de punições ou recompensas como a melhor forma de educação dos filhos nos dias atuais. A teoria do apego e a disciplina positiva são filosofias que promovem a relação saudável, e com respeito, com os filhos desde antes mesmo do nascimento.

Teoria do apego Meu bebê não dorme

O objetivo da teoria do apego e da disciplina positiva é criar adultos íntegros, saudáveis, independentes, responsáveis e felizes. A ideia é fazer com que a criança perceba seus limites e levem uma vida sem relações tóxicas e sem dependência emocional. Educar uma criança utilizando da disciplina positiva e da teoria do apego ajuda a criança a ser mais organizada emocionalmente, empática, responsável por si e como ente na sociedade.

Muitos pais têm problemas com o sono dos filhos e sabemos que o sono infantil é importante para o seu desenvolvimento. Um dos focos da teoria do apego é dar a atenção que a criança precisa e utilizar de meios que ajudem a criança a se sentir confortável e segura durante o dia, durante os desafios, para que ela se sinta amada e confortável, entregando-se ao sono em estado de segurança física e emocional.

Porque o meu bebê não dorme a noite toda? Bem, pode acontecer da criança acordar na madrugada para mamar, por exemplo, e isso é normal. Porém, a ideia é atender com tranquilidade as demandas do bebê, considerando que esse é o processo natural de desenvolvimento dele: solicitar companhia e presença, sempre! As mamadas noturnas serão diminuídas a partir do memento que não restringimos esse contato. Quanto mais presença e segurança, mais apego seguro, ou seja, menos dependência (incrível com a sociedade autoritária compartilha exatamente o contrário). Com essa entrega emocional e física, segundo a necessidade da criança, ela se desenvolve com a sensação confortável de segurança, o que promove um sono tranquilo por toda noite.

A educação tradicional não corresponde à teoria do apego, uma vez que a educação tradicional não considera importante as necessidades da criança. Na criação com apego, os pais são a figura principal do processo de ensino-aprendizado e, são eles quem detém o poder e o conhecimento e estão ali para transferir para os filhos. No modelo tradicional, o foco é a obediência, a disciplina, e não enxergamos os pais como principais nesse processo, ‘empurrando’ também a responsabilidade de educação para a escola, avós, etc.

Diferentemente da educação tradicional, na disciplina positiva, os pais são apenas mediadores que levarão a criança a construir seu próprio conhecimento em relação a si mesma e ao mundo. O foco são as necessidades da criança e a comunicação é feita de maneira diferente. A hierarquia de poder é deixada de lado, substituindo-se por uma liderança empática.

Educadora parental e disciplina positiva

Como falamos, a disciplina positiva é a ação de tomar conta em que os pais assumem responsabilidades e comportamentos para melhorar o desenvolvimento e estimular a criança, respeitando sua integridade.

O apoio dos pais aos filhos são fatores importantes e é levado em conta a importância de respondermos adequadamente às necessidades das crianças, principalmente até os 7 anos de idade, fase em que são profundamente dependentes em relação aos seus cuidadores.

Na disciplina positiva, o respeito e a consideração às emoções são a base para a aquisição de algumas das competências estruturantes da personalidade da criança, como a resiliência. É importante valorizar toas as emoções (entendendo que não há emoções positivas ou negativas, todas são respostas do campo emocional a alguma vivência e devem ser SENTIDAS, organizadas e permitidas). São os pais que regulam emocionalmente a criança, não cobrando delas uma habilidade incompatível com seu desenvolvimento neurocortical. 

A autorregulação será uma conquista através do exemplo dos pais, muito necessária para desenvolvermos relações futuras saudáveis, ou seja, para nosso relacionamento social com os pares ou o incentivo do desenvolvimento dos interesses e pontos fortes individuais (vocação).

Quer saber mais sobre teoria do apego, disciplina positiva, educadora parental e apego seguro? Entre em nosso blog.

Quais os princípios da criação com apego?

A criação com apego, a disciplina positiva e a parentalidade consciente surgiram através de estudos desenvolvidos com relação ao vínculo dos recém-nascidos com as suas mães e cuidadores. É um modelo que explica como a relação pais-filho surge e influência no desenvolvimento da criança.

A criação com apego começa antes da criança nascer e se estende para os laços entre adultos. É uma expressão que você provavelmente já escutou e envolve a atenção constante ao recém-nascido, a amamentação em livre demanda (oferecendo o alimento no ritmo da criança), e o contato constante com o bebê, que auxilia, DIRETAMENTE, o sono do bebê. 

Bebê que não dorme

O sono é um aspecto importante na vida das crianças e é responsável pelo crescimento, desenvolvimento e a manutenção da saúde. É um hábito associado à prevenção de doenças e ajuda na melhoria do aprendizado, no humor e no bem-estar mental.

Garantir o sono adequado para o bebê é importante e não é uma tarefa fácil. Quando falamos do sono das crianças com a abordagem da criação com apego, permitimos ampliar o nosso olhar para o comportamento do sono das crianças, entendendo a possibilidade de transformarmos o momento do sono em um momento de conexão.

O sono é uma necessidade fisiológica imprescindível, como mencionamos, e o primeiro passo para que você consiga fazer com que seu filho durma é não colocar as suas necessidades antes das necessidades do bebê. Você não deve aceitar uma vida de privação de sono, mas você deve se preparar, se organizar e se fortalecer para que consiga lidar bem com o sono do pequeno.

Avaliar o quanto as outras áreas da sua vida impactam diretamente na relação com o seu bebê, que deve sempre ser prioridade. Numa sociedade autoritária e imediatista, estar com o bebê muitas vezes é colocado em segundo plano, pois o mundo nos chama de forma agressiva. Entender a nossa importância como mães, como cuidadoras principais de uma vida tão vulnerável e tão dependente de nós pode nos fortalecer a dizer ‘nãos’ para o mundo, não para o nosso bebê.

Nós viemos ao mundo para formar laços com os demais e, além disso, ser prazeroso, é benéfico para a saúde mental. Os relacionamentos são uma forma de garantirmos a nossa sobrevivência.

Sabemos, então, que um bebê é incapaz de cuidar de si mesmo. Ele depende dos pais para conseguir alimento, saciar-se da necessidade de contato, carinho, dormir e aprender sobre o mundo. Este é o principal campo de estudo da criação com apego.

Educadora parental – criação com apego

O apego significa um vínculo afetivo entre um indivíduo e uma figura de apego. Os laços entre essas pessoas podem ser recíprocos entre dois adultos, porém, entre uma criança e um cuidador, são baseados nas necessidades de segurança, proteção e necessidades fisiológicas, e os adultos são os provedores de amor nesta relação.

Criar com apego é uma proposta em que as crianças se ‘apegam’ saudavelmente a quem cuide delas, com a finalidade de sobreviver, garantindo o desenvolvimento físico, social e emocional. Em outras palavras, o apego seguro vem de uma relação de confiança com o cuidador principal.

A educação positiva também é citada nesse campo por ser uma filosofia que preconiza o uso da não-violência na comunicação entre pais e filhos. Ela é baseada em respeito mútuo e também visa o desenvolvimento físico, social e emocional da criança.

O objetivo é desenvolver crianças felizes e contribuir para que elas saibam lidar com situações adversas da vida de forma independente. Além de criar seres adultos íntegros, independentes e felizes.

Quer saber mais sobre criação com apego, disciplina positiva, bebê que não dorme, educadora parental e parentalidade consciente? Entre em nosso blog.

 

Educação Positiva – o que significa disciplina positiva?

educação positiva disciplina positiva parentalidade positiva parentalidade consciente educadora parental

Em outras publicações já falamos um pouco sobre a disciplina positiva e a parentalidade positiva. Sabemos que a parentalidade positiva aposta na firmeza com gentileza na educação dos filhos, sem punição, castigo ou recompensa.

Educar pode ser um grande desafio e muitas pessoas costumam agir por tentativa e erro, repetindo padrões que lhe foram passados em sua infância, ‘buscando na memória’ lembrar como aqueles que cuidaram de nós durante nossa infância reagiriam diante de determinadas situações. Na verdade, muitos pais se tornam pais sem curar a criança que foi (ou entender/perceber quais violências vivenciou) e isso pode dificultar bastante a relação com os filhos que estão sob sua responsabilidade e cuidado.

Disciplina Positiva Parentalidade Consciente

A educação positiva é uma filosofia que tem como fundamento a criação com gentileza, sem punição, castigo ou recompensa. Se a gente aprofundar no tema, chegamos a uma reflexão sobre nossa própria criação e alguns paradigmas enraizados. Acontece que é normal repetirmos o que recebemos dos pais ou o que a sociedade prega que deve ser feito.

Os relacionamentos se moldam por automatismo, ou seja, por comportamentos inconscientes que nos foi ensinado de geração em geração. Na educação dos filhos, a abordagem da disciplina positiva defende o equilíbrio e o respeito mútuo, diferente das práticas dominantes e tradicionais.

Os principais pontos que diferem a educação tradicional de uma educação respeitosa são:

Com relação ao comportamento:

Tradicional – as crianças respondem quando recebem recompensa ou punição, conforme seu comportamento x expectativa do adulto.

Disciplina positiva – os pais procuram desenvolver cooperação através do senso de aceitação (conexão) e importância (significado) no seu contexto social.

Ferramentas:

Tradicional – Controle, recompensas e punições.

Disciplina Positiva empatia, entendimento da perspectiva da outra pessoa, colaboração na resolução do problema.

Esses foram alguns exemplos de práticas adotadas no modelo tradicional e no modelo da parentalidade consciente e parentalidade positiva.

A disciplina positiva prega que todas as ações com os filhos sejam pautadas pelo respeito mútuo. O relacionamento não pode ser como um pêndulo, quando se é apenas firme ou apenas gentil.

O equilíbrio é importante. Se você for apenas firme, só trará perspectiva de suas próprias necessidades, sendo a ordem a questão mais importante. Esse comportamento pode te levar a um lugar de controle, chamado modelo parental autoritário.

Se você for apenas gentil, você não vai passar limites seguros. Esse modelo, conhecido como parental permissivo, só há foco na criança. Ela pode fazer o que quiser e acaba se sentindo abandonado ou superestimado, uma vez que decide ou escolhe sem se sentir preparado para esta responsabilidade. Aqui, as necessidades das outras pessoas são ignoradas e a criança é sobrecarregada, pois esperam que ela tenha uma maturidade ou capacidade incoerentes com sua idade.

Parentalidade conscienteEducadora parental

Como falamos anteriormente, o equilíbrio entre as práticas é importante. Se você sente que sua relação com seu filho é ‘solta’, a relação fica sem  conexão e respeito. Se você for muito firme, passa a ignorara as necessidades de quem mais ama em prol de regras e deveres, trazendo consequências para uma vida inteira.

O caminho que buscamos compartilhar é aquele que considera que a criança sempre está passando por desafios e precisa de pais atentos e empáticos. Ela precisa do seu apoio, colo e de validação de sentimento – e trazer o respeito a você para que a situação seja resolvida com limite seguro.

Não tem uma receita para fazer isso corretamente, pois cada família é diferente uma da outra, mas existem ferramentas que ajudam a entender que tipo de relação temos construído e desenvolver um relacionamento saudável. 

Quer entender mais sobre educadora parental, educação positiva, disciplina positiva, parentalidade positiva e parentalidade consciente? Entre em nosso blog.