Educação Positiva – o que significa disciplina positiva?

educação positiva disciplina positiva parentalidade positiva parentalidade consciente educadora parental

Em outras publicações já falamos um pouco sobre a disciplina positiva e a parentalidade positiva. Sabemos que a parentalidade positiva aposta na firmeza com gentileza na educação dos filhos, sem punição, castigo ou recompensa.

Educar pode ser um grande desafio e muitas pessoas costumam agir por tentativa e erro, repetindo padrões que lhe foram passados em sua infância, ‘buscando na memória’ lembrar como aqueles que cuidaram de nós durante nossa infância reagiriam diante de determinadas situações. Na verdade, muitos pais se tornam pais sem curar a criança que foi (ou entender/perceber quais violências vivenciou) e isso pode dificultar bastante a relação com os filhos que estão sob sua responsabilidade e cuidado.

Disciplina Positiva Parentalidade Consciente

A educação positiva é uma filosofia que tem como fundamento a criação com gentileza, sem punição, castigo ou recompensa. Se a gente aprofundar no tema, chegamos a uma reflexão sobre nossa própria criação e alguns paradigmas enraizados. Acontece que é normal repetirmos o que recebemos dos pais ou o que a sociedade prega que deve ser feito.

Os relacionamentos se moldam por automatismo, ou seja, por comportamentos inconscientes que nos foi ensinado de geração em geração. Na educação dos filhos, a abordagem da disciplina positiva defende o equilíbrio e o respeito mútuo, diferente das práticas dominantes e tradicionais.

Os principais pontos que diferem a educação tradicional de uma educação respeitosa são:

Com relação ao comportamento:

Tradicional – as crianças respondem quando recebem recompensa ou punição, conforme seu comportamento x expectativa do adulto.

Disciplina positiva – os pais procuram desenvolver cooperação através do senso de aceitação (conexão) e importância (significado) no seu contexto social.

Ferramentas:

Tradicional – Controle, recompensas e punições.

Disciplina Positiva empatia, entendimento da perspectiva da outra pessoa, colaboração na resolução do problema.

Esses foram alguns exemplos de práticas adotadas no modelo tradicional e no modelo da parentalidade consciente e parentalidade positiva.

A disciplina positiva prega que todas as ações com os filhos sejam pautadas pelo respeito mútuo. O relacionamento não pode ser como um pêndulo, quando se é apenas firme ou apenas gentil.

O equilíbrio é importante. Se você for apenas firme, só trará perspectiva de suas próprias necessidades, sendo a ordem a questão mais importante. Esse comportamento pode te levar a um lugar de controle, chamado modelo parental autoritário.

Se você for apenas gentil, você não vai passar limites seguros. Esse modelo, conhecido como parental permissivo, só há foco na criança. Ela pode fazer o que quiser e acaba se sentindo abandonado ou superestimado, uma vez que decide ou escolhe sem se sentir preparado para esta responsabilidade. Aqui, as necessidades das outras pessoas são ignoradas e a criança é sobrecarregada, pois esperam que ela tenha uma maturidade ou capacidade incoerentes com sua idade.

Parentalidade conscienteEducadora parental

Como falamos anteriormente, o equilíbrio entre as práticas é importante. Se você sente que sua relação com seu filho é ‘solta’, a relação fica sem  conexão e respeito. Se você for muito firme, passa a ignorara as necessidades de quem mais ama em prol de regras e deveres, trazendo consequências para uma vida inteira.

O caminho que buscamos compartilhar é aquele que considera que a criança sempre está passando por desafios e precisa de pais atentos e empáticos. Ela precisa do seu apoio, colo e de validação de sentimento – e trazer o respeito a você para que a situação seja resolvida com limite seguro.

Não tem uma receita para fazer isso corretamente, pois cada família é diferente uma da outra, mas existem ferramentas que ajudam a entender que tipo de relação temos construído e desenvolver um relacionamento saudável. 

Quer entender mais sobre educadora parental, educação positiva, disciplina positiva, parentalidade positiva e parentalidade consciente? Entre em nosso blog.

 

Apego seguro: os desafios da parentalidade positiva

parentalidade positiva parentalidade consciente educação positiva apego seguro criando com apego

O apego seguro é muito importante para a qualidade da relação afetiva entre pais e filhos e fortalecer essa relação ajuda a proteger a saúde mental das crianças. A parentalidade positiva, assim como o apego seguro e a educação positiva, ajuda os pais a despertarem uma visão e um comportamento mais empático com os filhos e isso os pais a observarem as necessidades vitais das crianças e atende-las de forma carinhosa e compreensiva. 

O apego seguro defende que todas as crianças estabelecem um apego com seu cuidador principal, mas ele pode ser seguro ou inseguro. Criando com apego depende da atenção que é dedicada aos filhos e na eficácia que os pais atendem às suas necessidades. O mais importante nesse processo é respeitar e aceitar os sentimentos do bebê/criança, dando-lhe consolo e segurança.

Criando com apego Parentalidade positiva

A parentalidade positiva é uma abordagem que é uma escolha,  de um caminho entre a parentalidade rígida (autoritarismo) e a permissiva. Ela rejeita tanto a punição quanto a permissividade e pressupõe que a criança pode desenvolver no seu tempo sua autonomia (sim, não precisamos ‘incentivar’ um contexto natural e saudável) e participar da tomada de algumas decisões, dentro do que é adequado para sua idade, do contexto familiar e de limites respeitosos.

A parentalidade positiva, ou parentalidade consciente, prega a ideia de que, bater ou castigar as crianças não as ensinará a lidar com os próprios sentimentos ou para terem comportamentos adequados. 

A parentalidade consciente parte de um pressuposto de que ao gerar um filho e, ao mesmo tempo que mãe e pai se preparam para o nascimento, também se devem preparar para a parentalidade. E existem 5 dimensões da parentalidade positiva que são importantes nesse processo.

  1. Compreender as necessidades físicas da criança.
  2. Promover a segurança da criança.
  3. Promover o desenvolvimento, comportamento e a estimulação da criança.
  4. Comunicar de forma positiva com o filho.
  5. Exercer uma disciplina positiva através do apego seguro e educação positiva.

Criar e educar os filhos da mesma maneira com a qual fomos criados ou indo para o extremo oposto pode não ser a melhor maneira de educar o seu filho. Não existe uma receita, fórmula, correta para educar seus filhos, mas existem pontos que podem ser relevantes para esse processo.

Educação positiva e os desafios da parentalidade positiva

A notícia boa é que é possível que um adulto transforme uma relação de apego inseguro para apego seguro. O primeiro ponto é cuidar de você e da sua relação com seus filhos. Existem várias maneiras de trabalhar esse aspecto, seja sozinho ou com a ajuda de uma educadora parental.

Existem casos que os pais não conseguem desenvolver um apego seguro com o filho porque ainda não têm ideai de onde começar, como agir e que crenças deve abandonar. Criando com apego envolve a transformação dos pais e do seu modo de pensar e agir para criar novas perspectivas para facilitar o processo de relação pais-filhos.

Às vezes é difícil para os pais prestarem atenção, conhecer bem seu filho para ser responsivo e assertivo, consciente, resiliente e, principalmente, saber consolar e sustentar quando a criança não se sente bem. Porém, com uma boa orientação e foco, você pode alcançar os pilares do apego seguro e da parentalidade consciente e positiva.

Gostou da publicação? Quer saber mais sobre parentalidade positiva, parentalidade consciente, educação positiva, apego seguro e criando com apego? Entre em nosso blog.

Parentalidade consciente – Criação com Apego

criacao-com-apego-autoconfiançac-autoestima

A Educação positiva tem como objetivo criar pessoas íntegras, empáticas, saudáveis e felizes. Pais que utilizam da educação positiva e a criação com apego estão promovendo uma relação de qualidade. Promove educação, autoconfiança, autoestima, integridade e o mais importante: uma pessoa mais ciente dos limites que existem na sua vida e na vida de todos ao seu redor.

Através da criação com apego as crianças se tornam mais independentes e são capazes de tomar decisões sem os pais ao lado. Ela se torna autodisciplinada, incentivada a pensar, aprende se escutar e escutar os outros, entre outros benefícios.

A Parentalidade consciente parte do pressuposto de que ao gerar um filho e, ao mesmo tempo que mãe e pais e preparam para o nascimento, também se devem preparar para a Parentalidade. São necessários alguns passos para que os pais atinjam a Parentalidade positiva e nessa postagem vamos falar alguns desses passos.

Teoria do apego – Positividade

Na teoria do apego, a Parentalidade é sinônimo de tomar conta. Significa assumir responsabilidades e comportamentos para otimizar o crescimento e estimular o desenvolvimento da criança respeitando a sua integridade enquanto ser único e independente.

É importante garantir as necessidades da criança em cada uma de suas fases de desenvolvimento e a criação com apego pode garantir isso. A criação com apego é uma forma de educação que auxilia os pais a estreitar os vínculos com os filhos, respeitando suas necessidades e ajudando a desenvolver a empatia, compaixão ao próximo, a autoconfiança e a autoestima. O objetivo é único: transformar as crianças em seres humanos mais empáticos, independentes e seguros de si.

Dimensões da Parentalidade Positiva – Educação positiva

A valorização das emoções positivas como a felicidade, os talentos, o saudável relacionamento social com os pares ou o incentivo do desenvolvimento dos interesses e pontos fortes das pessoas são cruciais para a construção de uma personalidade positiva e para o desenvolvimento da criança. E para que isso aconteça, é importante que os pais aprendam as cinco dimensões da Parentalidade positiva:

  1. Conhecer as necessidades físicas das crianças.
  2. Promover a segurança da criança.
  3. Promover o desenvolvimento, comportamento e a estimulação da criança.
  4. Comunicar de forma positiva e não violenta.
  5. Exercer uma disciplina positiva.

A Parentalidade positiva surgiu com a necessidade de encontrar estratégias de lidar contra a violência e maus tratos infantis tendo como base o trabalho desenvolvido junto dos pais/cuidadores. Ela se refere ao comportamento dos progenitores respeitador dos melhores interesses e direitos das crianças. Ela não é uma Parentalidade permissiva, pois estabelece limites que as crianças precisam para as ajudar a desenvolver o seu potencial.

Compreender a natureza dos filhos, entender as características da sua fase de desenvolvimento, colocar limites com empatia, respeitar os seus sentimentos, investir na qualidade do vínculo, disciplinar sem castigar, deixá-los aprender com as consequências de suas escolhas e a importância da comunicação são algumas estratégias que podemos aprender com a Parentalidade Positiva.

Quer saber mais sobre Parentalidade positiva e criação com apego? Em outras postagens falamos sobre esses temas. Em nosso blog você também vai encontrar postagens sobre como melhorar o sono do bebê e o desmame natural e gentil.