Facebook 8 horas

Meu filho não dorme – Sono do bebê

como educar o sono do bebe

Atender às demandas de sono do bebê não é uma tarefa muito fácil. No início de sua vida é normal que ele acorde várias vezes para mamar e isso pode ser um problema para alguns pais. Como lidar com a janela de sono do bebê? Nessa publicação falaremos um pouco sobre esse assunto.

Alguns pais afirmam que os filhos dormem a noite inteira, e isso é verdade, pode acontecer sim. E existem algumas atitudes que podem influenciar esse comportamento, fugindo de estratégias ou ferramentas de ‘como educar o sono do bebê ‘, para uma busca em como melhorar o sono do filho, e consequentemente, também dos pais.

Como educar o sono do bebê?

É normal se o seu filho não dorme bem a noite toda. As crianças passam por diversas fases durante o sono noturno, o que ocasiona em despertares. Então, se você se preocupa com o sono do seu filho, além de se informar sobre a realidade do sono infantil, saiba que essa fase de não dormir a noite toda e acordar várias vezes vai passar.

No primeiro mês do bebê seus horários de sono são irregulares. Eles acabaram de chegar ao mundo e estão em constante adaptação. Eles precisam se acostumar com a rotina dos pais, da casa e, principalmente, da amamentação. Ele costuma dormir por 10, 15 minutos, tem o sono ‘agitado’, mas estão dormindo! Podem se acordar para se alimentar e também (principalmente) para solicitar contato e calor materno.

Apenas no terceiro mês o bebê começa a ter menos necessidades calóricas, fazendo com que ele acorde menos à noite para se alimentar. É interessante que os pais estejam atentos a essa fase e perceberem que os despertares continuam, mas não para a alimentação, mas para garantir o contato. Se não estamos atentos, acabamos respondendo ao despertar com amamentação e nos parece que o comportamento de sono ‘não evoluiu’, mas na verdade somos nós que não estamos acompanhando as mudanças atentamente.

O sono dos bebês é um dos primeiros desafios para uma mãe. A privação do sono e todas as novas demandas da nova realidade pós nascimento incita a busca por profissionais que apoiem as famílias para ajudar no comportamento da criança e, até mesmo, dos pais. Esses profissionais são chamados de educador parental.

Além do educador parental, existem especialistas na área do sono infantil que muitas pessoas têm buscado apoio, os consultores em Sono e Apego Seguro. Eles têm uma visão geral sobre o tema, com bases na filosofia do apego seguro (veja nossos profissionais no site: AQUI).

Janela de sono do bebêCurso Sono do bebê

Existem algumas ações importantes para ajudar no sono do bebê. Primeiramente, é importante criar um ambiente propício para o sono da criança. Sem muitos ruídos alternados (obra, latidos), com pouca luz e, além disso, não o deixe conectado a televisões, celulares e tablets próximo da hora de dormir. Isso afeta muito a qualidade do sono, os hormônios sensíveis à luz branca e o comportamento do sono.

O apego seguro é uma maneira de educar os filhos com segurança, carinho e sem o uso de atitudes violentas. Se desenvolve desde o primeiro minuto de vida, a partir das suas experiências cotidianas e um apego seguro ajuda, e muito, na qualidade do sono da criança. Por que? Bem, a criança tem que se sentir segura para dormir. Além disso, também precisa se sentir ‘satisfeita’ quanto às suas necessidades inatas de proteção e contato.

Existem várias formas de melhorar a qualidade de sono da criança, como, por exemplo, não deixar seu filho dormir sozinho. Saia do local somente quando ele pegar no sono, isso irá criar uma relação de confiança nos pais e ele vai se sentir mais seguro no ambiente. Ele precisa da sua presença para dormir.

Quer saber mais sobre educador parental, janela de sono do bebê, meu filho não dorme, curso sono do bebê e como educar o sono do bebê? Entre em nosso blog.

Como ajustar a rotina do sono do bebê?

rotina do sono

Você sabe qual o horário ideal para nossos filhos irem dormir? Sabe como melhorar a rotina do sono do bebê?

O comportamento de sono é um reflexo do dia, e o dia a dia pode afetar a rotina do sono das crianças e quando existe estresse durante o dia pode fazer com que a criança não tenha uma boa noite de sono. Pode acontecer, também, da criança ter um sono leve e com pouco relaxamento.

Nessa publicação vamos falar mais sobre o sono do bebê e a fisiologia do sono.

Fisiologia do sono – Sono do bebê

O organismo humano é direcionado pelo ritmo circadiano, que representa o período de um dia (24 horas) no qual se completam as atividades do ciclo biológico de todos os seres vivos.

Uma das principais funções deste sistema é o ajuste do relógio biológico, que controla o sono e o apetite. É através dessa cadência que devemos entender que nossos filhos já possuem uma rotina interna, mas que para que ela funcione, é preciso observá-los e observar se a rotina da casa é adequada e respeita esse relógio interno.

Além disso, são as mudanças que o organismo equilibra nosso corpo e direciona nossas necessidades. Ao escurecer, a glândula pineal começa a produzir a melatonina (o hormônio do sono) e então começamos a relaxar, a sentir o corpo menos disposto e vem a vontade de ir dormir.

Se o ambiente se agita, nosso organismo entende que não poderemos ir dormir e, para que consigamos ter energia novamente, produz o cortisol. O cortisol é o hormônio do stress, que traz mais energia para seguirmos as atividades, mas tem um efeito colateral pouco conhecido: despertares noturnos!

Mas como melhorar o sono do bebê? O que fazer para mudar a rotina do sono? 

Inicialmente, vamos voltar à parentalidade positiva. Sabemos que a parentalidade positiva significa assumir responsabilidades e comportamentos para melhorar o crescimento e o desenvolvimento da criança. Assim como, também o comportamento de sono da criança.

É muito importante dar atenção às necessidades da criança e, da mesma maneira, é importante conhecer o ciclo de sono e suas influências. Não existe uma receita correta para melhorar o sono da criança, mas um educador parental com ênfase em sono e apego seguro pode ajudar a entender a necessidade fisiológica da criança, assim como suas necessidades básicas da vida.

Um educador parental tem um olhar especial sobre a hora do sono e o tempo que a criança demora para relaxar e se entregar ao sono. Mas mantenha em mente que para que esse processo seja concluído, a criança precisa se sentir segura, confortável e amada.

Como melhorar a rotina do sono do bebê?

Todos nós despertamos durante a noite, esses despertares acontecem entre os ciclos de sono non-REM e REM. Porém, se temos uma quantidade considerável de cortisol no organismo, entre essas mudanças de ciclo nosso organismo volta a se agitar e temos dificuldades em voltar a dormir.

O mesmo ocorre com nossos bebês: se não os colocamos para dormir no horário em que sentem sono, o organismo da criança interrompe a produção de melatonina e passa a produzir cortisol!

O cortisol os permite continuar despertos, mas a criança fica muitíssimo nervosa e passa a ‘lutar contra o sono’, ou seja, está cansada, mas há um hormônio poderoso que a impede de relaxar e dormir.

A rotina do sono infantil está sob nossa responsabilidade e o principal da rotina é a previsibilidade do organismo e do bebê. Organize a rotina da casa para que você esteja disponível para seu filho, e com isso, que ele consiga relaxar e ir dormir no momento em que a melatonina começa a ser produzida. Se estiver em sintonia com o ritmo da criança e promover um ambiente amoroso e adequado à criança, vai se surpreender com a qualidade de sono que ele passará a apresentar com esta simples mudança!

Quer saber mais sobre o sono do bebê, rotina do sono, educador parental, como melhorar o sono do bebê e fisiologia do sono? Entre em nosso blog.

Autora: Lívia Praeiro Coelho Saliba

Como fazer meu filho dormir melhor

como fazer meu filho dormir

É normal vir à tona alguns questionamentos quando pensamos em ter filhos. Como engravidar, como vai ser a gestação, como vai ser quando o filho nascer, dentre outros pensamentos. Mas o que mais nos anseia é pensar nos primeiros dias de vida de um bebê, o que geralmente gera uma insegurança e até mesmo ansiedade nos pais. Mas o que mais nos abala é sobre o sono da criança.

Estamos vivendo uma época em que todos nós temos o dia muito atarefado, com muitas atividades e pouco tempo para nos planejarmos. Quando os filhos nascem, percebemos uma mudança com relação às criações de alguns anos atrás: famílias inteiras debruçadas sobre o berço, sem saber muito bem como agir.

A relação entre pais e filhos têm se transformado por completo. E o relacionamento entre o casal também está se transformando com os anos.

Nessa publicação vamos falar um pouco sobre parentalidade consciente, teoria do apego, educador parental, disciplina positiva e a relação com o sono da criança.

Sono infantil e a parentalidade consciente

Como já falamos em outra postagem, o sono é importante para o crescimento, desenvolvimento e a manutenção da saúde da criança. Está associado à prevenção de doenças, melhoria do aprendizado, no humor e no bem-estar mental.

A parentalidade consciente e a teoria do apego, preconiza a atenção às necessidades das crianças de maneira carinhosa, atenciosa e respeitosa.

O sono dos filhos é um problema tão recente quanto há 10, 20 anos atrás. Os pais desejam ser onipresentes e não conseguem. Os filhos desejam conviver mais com os pais, ter uma relação de vínculo, mas a correria do dia a dia os afasta. A teoria do apego traz à consciência a necessidade de um contato mais próximo aos filhos, atendendo suas necessidades e dando atenção: atitudes cruciais para o pleno desenvolvimento da criança.

Como as crianças sabem de suas necessidades, não abrem mão delas, uma vez que são instintivas. Então, se não recebe a atenção necessária durante o dia, acaba acontecendo pela atenção dos pais no horário noturno, como única oportunidade de estarem ao lado deles, e muitos pais, sem perceber, nem mesmo neste ‘segundo’ momento não conseguem propiciar um tempo de qualidade com os filhos.

Dessa maneira pode acontecer que os filhos não desenvolvam algumas capacidades, dentre elas, sua relação pacífica com o sono e não construam a relação de vínculo que tanto aspiram. Considerando que o mundo é hostil, uma vez que que mais os ama não está presente emocionalmente.

Os pais querem que o bebê tenha um sono de qualidade, para propiciar uma noite inteira de paz e um dia de harmonia para a família, porém isso não acontece devido à falta de atenção e tempo de qualidade com os filhos.

Uma boa noite de sono depende da relação de segurança que nossos filhos constroem em relação aos pais ou cuidadores e é crucial, como mostra na teoria do apego e na parentalidade positiva e consciente, que os pais transmitam esse sentimento (ou seria sensação?) de segurança para os filhos.

Disciplina positiva, sono infantil e teoria do apego

Se os filhos têm dificuldade de dormirem sozinhos, acabam por despertar milhares de vezes durante a noite e privam o sono dos pais. Esta privação é uma realidade nos primeiros meses de vida dos bebês, e até por anos.

Quando o filho não se sente seguro ou não tem a atenção devida dos pais o sono pode mudar e muito a qualidade do dia a dia de todos em uma casa.

Como Consultora do Sono, vivenciando a realidade de centenas de famílias nos últimos anos, sugiro que nós pais, façamos pequenos ajustes na nossa rotina, no tempo exclusivo aos nossos filhos, ao invés de acreditarmos em intervir na rotina do bebê, da alimentação e da casa.

Retomem a essência da parentalidade. Deixemos de lado o celular ou qualquer outro entretenimento por alguns instantes para garantir um tempo exclusivo aos filhos.

Tenhamos tempo para o casal, para fazer o que gostamos, ou até mesmo para prazeres sem companhia. O importante é estarmos bem para podermos estar bem com nossos filhos! Sem que eles sejam os responsáveis por nos proporcionar este bem-estar. As crianças precisam de nós, da nossa dedicação, do nosso tempo. Consciente desta necessidade genuína, buscamos equilíbrio nas outras atividades. O trabalho não pode ser mais importante que nossos filhos, nem as compras de supermercado, nem a casa. Saibamos promover prazer ao lado das crianças, abrindo possibilidades para uma vida mais equilibrada em todos os sentidos.

Desta forma, serão filhos menos dependentes, mais autônomos e, como consequência, essa tranquilidade os permite manter esse tempo para vocês. Uma vez que receberam nosso amor e nossa atenção quando mais precisavam, com o tempo, mais autonomia e independência aflora! Permitamos que nossos filhos brinquem, podendo trocar olhares conosco, que tenham tempo livre conosco!  Que possam ser crianças, dependentes e vulneráveis como a natureza os criou.

Quer saber como melhorar sua relação com o seu filho? Procure por um educador parental, leia mais sobre a teoria do apego, sobre como melhorar o seu tempo de dedicação com seu filho. Entenda, respeite, ajude, ame e atenda às necessidades da criança. Tudo isso vai ajudar a criança a se sentir mais segura e, consequentemente, vai melhorar a qualidade de sono de todos na casa.

Quer saber mais sobre parentalidade consciente, como fazer meu filho dormir, teoria do apego, disciplina positiva e educador parental? Entre em nosso blog.

Como saber se a criança tem distúrbio do sono?

disturbio do sono

O sono do bebê pode ser motivo de dor de cabeça e frustração para muitas mães. O comportamento do sono é um reflexo do dia da criança e muitas mães não sabem como fazer o filho pegar no sono e acabam comprometendo a qualidade de vida e a saúde de toda a família.

O estresse pode fazer com que você não tenha uma boa noite de sono ou um sono leve e pouco relaxamento. Sabemos que o sono saudável contribui diretamente com a melhoria na saúde e qualidade de vida tanto dos pais quanto do bebê e a privação do sono é capaz de fazer com que o nosso organismo deixe de desempenhar funções essenciais ao seu bom funcionamento, tais como o fortalecimento do sistema imunológico, a consolidação da memória e a regeneração das células.

Bebê com sono, mas não dorme? Bem, às vezes as crianças tiveram um dia estressante e não percebemos e nem imaginamos que isso aconteceu. Esse estresse interfere diretamente no sono do bebê.

Vamos falar um pouco mais sobre o sono infantil, o distúrbio do sono e o papel que um educador parental pode exercer para ajudar nesse aspecto.

Educador parental – Sono do bebê

Uma boa noite de sono influencia no humor e realização das nossas tarefas do dia a dia, sendo uma necessidade básica dos seres humanos e essencial ao nosso bem-estar, felicidade e boa disposição.

Mas, se o sono de é fundamental à saúde e qualidade de vida, por que o meu bebê não consegue dormir à noite?

É difícil esperar o ritmo dos pequenos com relação ao sono e isso pode gerar uma certa angústia. Reclamar que o bebê apresenta sinais de sono, mas não dorme, é comum entre os pais de primeira viagem. Na verdade, o grande desafio é entendermos qual o real comportamento de sono de um bebê e se nossas expectativas são REAIS. Na verdade, o maior desafio é nos acostumarmos com o novo ritmo, com o nosso novo relacionamento (mãe e filho, a cada filho, um novo relacionamento), com a nossa nova realidade! Devemos entender o  sono infantil, o que esperar, como promover um ambiente adequado aos nossos filhos e então, mãe e filho terem uma boa rotina de sono.

Distúrbio do sono infantil

É muito difícil um bebê apresentar algum distúrbio do sono, uma vez que o sono é fisiológico, como a alimentação, a respiração… mais fácil é olharmos para o mau comportamento de sono como uma comunicação: um chamado para o relacionamento com eles, por mais contato, por mais trocas emocionais. As crianças precisam se sentir vistas, seguras, para que o sono flua: que vem de um momento de entrega, de sair do momento presente! E para nos permitirmos entrar nesse relacionamento, precisamos silenciar o mundo externo, nos permitir estar em conato com a infância, com a vulnerabilidade e dependência dos nossos filhos, com a quietude, com o pouco movimento e muita observação.

Ainda, sobre a busca de algum distúrbio do sono, quando o desafio das famílias é grande: existem sim, alguns distúrbios do sono, como, por exemplo, a síndrome das pernas inquietas e a apneia do sono infantil, e sim: estas síndromes devem ser tratadas com especialistas, de forma adequada. Verificar se está tudo em ordem com a saúde é primordial nestes casos.

Podemos sim, saber o que NÃO fazer para atrapalhar o sono da criança: saiamos da necessidade de construir rotinas para o bebe (super MITO), uma vez que quanto mais focamos em rotina, menos observamos o ritmo dos nossos filhos.

É muito importante implementar uma sequência de atividades para o dia a dia da criança para que ela se sinta segura e tranquila: banho, brincar, estar com os pais… na hora do almoço estou mamando, na hora eu meu pai chega estou jantando… coisas do tipo. A criança se cadencia por fatos externos, e isso sim, é importante garantir: uma sequência que os localize no tempo, que os permitam ter previsibilidade.

Quer saber mais sobre sono infantil, sono do bebê, educador parental e distúrbio do sono? Entre em nosso blog.

Cama compartilhada – Criação com Apego

cama-compartilhada-criacao-com-apego

Qual criança não gosta de dormir na cama dos pais? Muitas crianças costumam fugir de noite para a cama dos pais, principalmente depois de alguns sonhos ruins. Alguns fogem mesmo porque querem mais carinho e o aconchego do papai e da mamãe.

A cama compartilhada é uma pratica comum na infância e é muito bem percebida pela criação com apego, apego seguro e educação positiva. Ela é sim um benefício para as crianças. Afinal, o apego seguro se baseia em criação afetuosa baseada em respeito às necessidades da criança. O entendimento de suas necessidades fisiológicas e emocionais, a empatia com esses sentimentos e a maneira como eles são tratados.

Por que, nossos filhos buscam nossa cama? A resposta é simples: necessidade de estarem conosco. Necessidade real de conforto, contato, apego seguro e proteção.

Meu filho só dorme na minha cama – Apego Seguro

A cama compartilhada é um tema muito discutido por grande parte das academias de pediatria por ser um hábito tão comum e condenado por muitas pessoas e incentivado por tantas outras pessoas devido a uma série de fatores.

É um método que vem sendo usado por muitas mães devido a sua praticidade na hora de amamentar e vigiar o bebê facilmente durante as horas de sono. A mãe, na maioria das vezes exausta, opta por deixar seu bebê dormir ao seu lado para que consiga descansar um pouco, e outras vezes o pai acaba tendo que ir dormir no sofá, em algum outro cômodo ou acaba compartilhando a cama com os filhos mesmo.

O contato próximo dos pais com o filho é uma maneira de estar sempre atento e presente às necessidades do filho, faz parte do apego seguro, da criação com apego.

O termo cama compartilhada já está tão arraigado em nós que hoje em dia traduz-se como falta de limite e ‘respeito’ ao casal e sua vida íntima, além de uma preocupação ao desenvolvimento sexual da criança. Mas nossos filhos atrapalham mesmo nossa vida de casal? Já somo adultos autônomos o suficiente para organizar nossas necessidades e, frente a isso, temos que entender que, se há a necessidade da criança ficar entre os pais na cama, devemos atender, entender e respeitar essa necessidade emocional dela. Afinal, é isso que que aprendemos na criação com apego e na educação positiva.

Cama compartilhada – Educação positiva

A cama dos pais tem uma representação muito forte para as crianças por signicar afeto, segurança e o “estar junto”. Além disso, para as crianças, não é fácil ter que ficar em um quarto sozinha, pois isso pode representar, para elas, uma solidão. Neste caso, segundo ele, a cama dos pais é vista como uma solução e proteção pelos pequenos. Algumas pessoas que se especializam em educadora parenal estudam os benefícios e malefícios sobre a cama compartilhada.

Acontece que, a separação de quartos é um costume da sociedade moderna e, que por milênios, os adultos e crianças compartilhavam o mesmo ambiente para dormir. A necessidade de separação, segundo algumas pessoas especializadas em educadora parental, surgiu com a questão da privacidade e a intimidade, com uma divisão entre o mundo infantil e adulto.

A cama compartilhada não é um problema e os pais podem até chegar sentir falta desta fase. Dividir a cama com os filhos gera boas lembranças. Usando do bom senso e utilizando da criação com apego e a educação positiva, é possivel dosar esse comportamento, atendendo, sempre, às necessidades da criança e, também, respeitando à necessidade dos pais.

Gostou da publicação? Quer saber mais sobre cama compartilhada, apego seguro, educação positiva, desmame gentil? Entre em nosso blog e fique por dentro.

Sono polifásico – Como melhorar o sono do bebê

sono-polifasico-como-melhorar-o-sono-do-bebe

O sono pode beneficiar o coração, o peso, a mente e outros órgãos importantes, além de ser a essencial fonte de energia que mantém a mente aberta e tranquila, assim como uma bateria recarregada após a noite de sono.

O sono faz parte do desenvolvimento físico e mental da criança, tanto a noite quanto durante o dia. Além disso, estudos científicos comprovam que as crianças que fazem sonecas têm maior atenção e tranquilidade se comparado às que não fazem sonecas (e isso é perceptível em bebês e crianças).

Quando as crianças descansam durante o dia, tendem a dormir mais e mais pacificamente à noite. Porém, tempo de soneca varia de acordo com a idade, mas também pode variar de bebê para bebê. Por exemplo: em um bebê de 1 mês de vida, o ideal são inúmeras curtas sonecas, enquanto o sono do bebê de 2 meses, pode ser dividido em apenas 4  a 5 sonecas.

O sono polifásico é o sono dividido em etapas, ou sejam, durante o dia há períodos de sono além do momento do sono noturno . Mas qual o benefício disso?

Janelas do sono – sono polifásico

Crianças tem sono polifásico e por isso passam a noite e o dia acordando e dormindo novamente. Recém-nascidos acordam para fazer suas funções fisiológicas: mamar, arrotar e evacuar, e não diferenciam o dia da noite.

Se você está com problemas para regular o sono do bebê de 2 meses e não sabe como melhorar o sono do bebê, realizar uma higiene do sono é o ideal. Realizar a higiene do sono significa realizar uma mudança de hábitos e atividades buscando a melhor indução e qualidade do sono.

O sono de um recém-nascido tem 3 estágios, onde 2 deles são cíclicos:

  1. O bebê começa a ficar sonolento.
  2. O bebê entra em estado de sono non-REM (sem rápidos movimentos dos olhos, sono profundo). Espera-se aqui movimentos, mudanças de posição, mas o cérebro está em ondas lentas e não percebe muito os estímulos externos
  3. Fase REM: ocorre o movimento rápido dos olhos e a respiração irregular. Seus olhos se movem sob as pálpebras fechadas, o cérebro torna-se extremamente ativo e todo e qualquer estímulo externo pode despertar a criança.

Assim, o organismo cicla entre as fases non-REM e REM, até o despertar.

Higiene do sono – Janelas do sono

O tema  ‘janelas do sono’ é um dos assuntos mais procurados pelos pais, pois entendem que podem a partir daí sejam capazes de desenvolver uma rotina para as crianças. O pior é que muitas literaturas apresentam estas janelas de sono como um comportamento padrão, com períodos fixos, considerando apenas a idade da criança.

Se você deseja mesmo saber quais são as janelas de sono do seu bebê, observe-o! Tanto os bebês quanto as crianças apresentam sinais de sono. A partir desse sinal de sono, eu recolho a criança (independente da idade) para um local com menos estímulos e então adormecem. Muitas das vezes não sabemos identificar os sinais de sono e acabamos por postergar esse momento (ou até antecipar) e então nos deparamos com as ‘lutas contra’ o sono. Somente a partir do momento que eu consigo identificar os horários de sono do MEU FILHO e então suas janelas, ou seja, o período entre o horário em que ele adormeceu até o próximo adormecer, ou seja, se meu bebê dormiu às 9:30h e depois dormiu novamente às 12:00h, posso dizer que provavelmente sua janela de sono é de aproximadamente 2,5 horas.  Só vou perceber se é mesmo essa a janela de sono do meu filho se essa distância se repetir por alguns dias. Mas a chave para essa descoberta é mesmo ser assertivo em conhecer e reconhecer os sinais de sono do meu filho. Em alguns bebês e crianças é a agitação de pernas e braços (bebê) ou desviar o olhar. Em crianças maiores é o desequilíbrio emocional em situações corriqueiras ou ate mesmo uma animação repentina. Enfim, podemos perceber que cada criança apresentará um comportamento individual. Mas o que é interessante entender é que o choro normalmente é um sinal tardio de sono, onde nossa capacidade de corregular a criança cai drasticamente, se comparado ao nosso poder de corregulação enquanto o sono está chegando. Se você não sabe como melhorar o sono do bebê, se preocupe em observar e então conseguirá ajustar as janelas do sono para garantir que o bebê realize o número de sonecas importantes para ele, relacionado às suas necessidades fisiológicas.

Vimos que a higiene do sono do bebê é importante para a manutenção do seu desenvolvimento.

Quer saber mais sobre o sono do bebê? Precisa de uma consultoria do sono? Entre em contato conosco e saiba mais sobre sono polifásico, apego seguro, disciplina positiva e fisiologia do sono.

Inscrições Abertas

Vagas abertas para o curso de
Certificação em consultoria do sono