Facebook 8 horas

Como fazer o desmame natural – Aleitamento materno

desmame natural desmame gentil amamentação aleitamento materno desmame noturno

A amamentação é um dos maiores desafios da maternidade, porém, é ela quem cria elos que as mães temem em romper. Quando falamos sobre o desmame natural e desmame gentil, existem diversas pessoas, com diversas opiniões, quando se trata da melhor hora para interromper a amamentação.

O aleitamento materno é essencial para bebês de até dois anos de idade e a OMS recomenda que o aleitamento seja realizado por esse período, no mínimo. Ainda sobre o aleitamento, é normal que muitas das crianças desmamem por volta dos dois anos e seis meses de idade, o que é chamado (segundo diversas teorias), de desmame natural.

Nessa publicação vamos falar sobre o desmame natural e sobre como descomplicar sua rotina para dar início ao processo de desmame.

Desmame noturno e desmame gentil

É normal que bebês acordem várias vezes a noite para mamar e, por mais que isso seja bem cansativo para a mãe, até os 6 meses de vida do bebê, a livre demanda de amamentação é importante.

As mamadas noturnas, nesse momento, são tão importantes quanto as mamadas que o bebê faz durante o dia. Além disso, o padrão de sono do bebê é muito diferente do nosso, assim como os ciclos de sono, que são mais curtos.

Como falamos, a mamada noturna é normal até os 6 meses de vida, porém, o desmame noturno pode acontecer, naturalmente, após os 4 meses de vida. Os bebês são muito diferentes e, por isso, alguns estarão prontos para o desmame noturno primeiro.

Naturalmente, os bebes vão espaçando as mamadas e elas vão se tornando cada vez mais curtas, até chegar a hora que eles não acordam mais para mamar. Porém, isso não acontece com todos os bebês.

O que precisamos entender é que, além de nutrirem-se fisicamente amamentando, o bebê nutre-se também emocionalmente, então, a partir do momento que passa a não ter mais necessidade de ingestão calórica, mantém suas necessidades de contato, calor, vínculo, e mantém os despertares para ‘garantir’ essa nutrição. Por isso entendemos que o desmame natural acontece quando todos estes aspectos são observados, ou seja, quando a mãe percebe que os despertares estão sendo mantidos para esse contato e troca e passa a ter um olhar mais consciente para as oportunidades de troca, contato, carinho, vínculo, durante o dia, o que reflete na redução dos despertares durante a noite. 

Não existe uma idade fixa para o desmame noturno, depende muito mais dos sinais de prontidão que a criança nos dá, que tem referência com as oportunidades de contato com a mãe (quem amamenta), durante o dia, do que propriamente da idade. Quando o bebê se alimenta bem durante o dia, por exemplo, não podemos dizer que é um sinal de que, provavelmente, ele não vai se alimentar durante a noite ou vai se alimentar pouco, e também que já tem suas necessidades de vínculo também supridas durante o dia.

O desmame noturno precisa começar gradativamente, depende verdadeiramente desse olhar cuidadoso da mãe para suas necessidades físicas e emocionais que são supridas com o ato de amamentar (e se a amamentação for compulsória, sem prazer, a criança não consegue suprir suas necessidades emocionais e fica AINDA MAIS dependente desse contato, que já lhe parece tão frio, mas é entendido como a única forma de troca com a mãe…

Desmame natural Amamentação 

A partir dos dois anos de idade, o leite materno segue como complementar e ainda alimenta, muito, a criança. No desmame natural a criança, que passou por uma amamentação sem a interferência de bicos artificiais (chupeta e mamadeira) e foi alimentada sob livre demanda, opta por parar de mamar. 

Isso porque se, em uma exceção, a criança parou de mamar após os dois anos e meio de idade e seguiu usando o bico artificial, a realidade é que ela não desmamou, apenas trocou o seio materno pelos bicos.

Existem alguns sinais que podem ajudar a identificar se a criança está pronta para o desmame. Esses sinais podem ajudar a mãe a perceber quando o pequeno está pronto para parar de mamar. Veja:

  1. Quando a criança tem mais de 1 ano e já tem uma alimentação equilibrada e variada.
  2. Qual ela deixa de pedir para mamar a qualquer momento.
  3. Quando ela dorme de outras formas, sem pedir para mamar.
  4. Quando ela se distrai durante as mamadas, e quer fazer outras atividades.
  5. Quando já existe um vínculo seguro e bem estabelecido com a mãe.
  6. Quando a criança aceita tranquilamente que o ato de mamar seja reservado apenas a alguns momentos, como dormir.

Quer saber mais sobre o desmame natural? Entre em nosso blog e saiba mais sobre desmame gentil, amamentação, aleitamento materno e desmame noturno.

Amamentação – Semana Mundial de Aleitamento Materno 2020

amamentacao semana mundial de aleitamento materno 2020

Você sabia que existe uma Semana Mundial de Aleitamento Materno? O leite materno é um alimento maravilhoso. Não é à toa que é chamado de ouro branco. Ele possui todos os nutrientes que o bebê necessita na quantidade exata para que ele cresça forte e saudável. Por isso a amamentação é tão importante. O aleitamento materno garante a oferta balanceada de açúcares, proteínas, gordura e vitaminas que ajudam a prevenir doenças futuras como diabetes, hipertensão e obesidade. Aleitamento materno, além disso, é cuidado, amor, carinho, é apego seguro.

O agosto dourado é como um instrumento de conscientização social em prol do alimento mais rico e indispensável para o bebê. Mas é importante virarmos a atenção, também, à saúde emocional das mães e a sua predisposição à amamentação. Não importa a maneira que a amamentação aconteça, pois tão importante quanto nutrir os filhos, é prover o apego seguro, a atenção, o amor, a entrega, o cuidado e o toque.

O agosto dourado está aí! E vamos falar, então, sobre amamentação e sua importância.

Aleitamento materno – Criação com apego

O leite muda sua composição ao longo da mamada. No início ele é mais líquido e contém grande quantidade de proteínas responsáveis pela construção do corpo do bebê e pela imunidade. No final, fica mais espesso e branco, contendo as gorduras e açúcares que fornecem energia para o bebê engordar e crescer e, além disso, o deixam saciado por mais tempo.

Cada bebê tem seu ritmo e as formas de amamentação e nutrição não são as mesmas, pois podem ocorrer via sonda, mamadeira ou direto ao seio. Mas claro, quando podemos promover a nutrição via seio conseguimos ao mesmo tempo proporcionar a oportunidade do contato e da nutrição ao mesmo tempo. Belezas da natureza!

Existe uma enorme pressão da sociedade para o desmame precoce do bebê e se as pessoas soubessem a importância que o leite materno e o contato que a amamentação promove, pensariam duas vezes antes de desestimularem uma mãe a oferecer seu seio. Os novos estudos mostram que o apego seguro com o cuidador e a boa alimentação são capazes de mudar, inclusive, a programação genética da criança, transformando-a em um adulto feliz, seguro, com relações afetivas saudáveis, prevenindo câncer, autismo e doenças degenerativas.

Semana Mundial de Aleitamento Materno – Agosto dourado – Criação com apego

A Aliança Mundial para Ação de Aleitamento Materno definiu o tema da Semana Mundial de Aleitamento Materno 2020: “Apoie a amamentação para um planeta mais saudável”.

Os objetivos da semana mundial de aleitamento materno 2020 são formados por 4 pilares: informar pessoas sobre os vínculos entre amamentação e meio ambiente/mudança climática; ancorar a amamentação como uma decisão climática inteligente; se empenhar com indivíduos e organizações para maior impacto; e galvanizar ação para melhorar a saúde do planeta e das pessoas através da amamentação.

O agosto dourado tem sido o mês dedicado a conscientização e apoio ao aleitamento materno e o tema desse ano tem vários pontos em comum. Veja só.

Amamentar é o jeito mais rentável, seguro e saudável de alimentar os pequenos, pois além de ser exatamente o que eles precisam, é de graça. Claro, é importante que a mãe cuide bem da sua dieta durante e após a gravidez para garantir aos pequenos todos os nutrientes necessários para crescer e se desenvolver.

Como já falamos, com relação a nutrição, o leite materno possui todos os nutrientes necessários para o bebê, gorduras, proteínas, vitaminas e açúcares. Além disso, também oferecem proteção e até mesmo prevenção contra doenças futuras.

O leite materno é a principal fonte de hidratação necessária para os bebês, demanda pouco do mercado e, consequentemente, do planeta. Pensando assim: para produzir uma lata de fórmula infantil, foi preciso matéria-prima, água, energia, combustíveis fósseis, mão-de-obra e, por aí vai. Enquanto isso, tudo o que uma mulher precisa para manter seu leite forte e nutritivo para os filhos é uma dieta rica, saudável e balanceada.

É claro que a amamentação é importante, mas:

  • Mães que nutrem seus filhos por sonda: tenham orgulho da força que existe e cresce cada dia mais, aí dentro. ⠀
  • Mães que nutrem por mamadeira: tenham orgulho da verdade que carregam nessa escolha, ou na falta dela.
  • Mães que nutrem com o seio: tenham orgulho da entrega para esse gesto, por essa doação!

NUTRIR tem ainda mais sentido quando é entendido e vivido com amor e INTENÇÃO.

Gostou da postagem? Confira mais em nosso blog!

Agosto Dourado: Mês do Aleitamento Materno

Janeiro Branco, Maio Amarelo, Outubro Rosa, Novembro Azul. Certamente você já ouviu falar sobre essas cores atreladas aos meses, não é? Campanhas de conscientização da população ganham espaço dessa forma. Não é diferente com o mês que comemora-se o Agosto Dourado.

Benefícios da amamentação: Agosto Dourado

A Semana Mundial do Aleitamento Materno é comemorada desde 1992. Em 2017, por meio da Lei nº 13.435, o mês do aleitamento materno foi oficialmente instituído como Agosto Dourado.

O objetivo dessa ação, assim como as demais ações de marketing social, é incentivar a aleitamento materno, uma vez que o leite materno é considerado o alimento de ouro para a saúde dos bebês.

De acordo com as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), recomenda-se o aleitamento materno desde a sala de parto, exclusivo e em livre demanda, até os 6 meses de idade do bebê, estendendo-se até 2 anos ou mais. Dessa forma, a OMS possui como meta, para 2025, aumentar em pelo menos 50% a taxa de aleitamento materno exclusivo até os 6 meses.

Benefícios da amamentação e do leite materno

  • Evita diarreia
  • Evita infecção respiratória
  • Protege do risco de alergias
  • Previne diabetes
  • Redução em 13% do risco de obesidade
  • Apoia no desenvolvimento intelectual e bucal
  • Protege a mãe contra o câncer de mama
  • Melhora o vínculo afetivo entre mãe e filho
  • Reduz a mortalidade infantil em até 13% em crianças menores de 5 anos

Semana Mundial do Aleitamento Materno 2019: Empoderar mães e pais, favorecer a amamentação. Hoje e para o futuro!

O tema de 2019 da Semana Mundial do Aleitamento Materno destaca a importância do amparo de toda rede de apoio aos pais, a fim de empoderar mães e pais e favorecer a amamentação. A rede de apoio deve oferecer conforto e segurança para que a mãe consiga amamentar de maneira natural, bem sucedida e superando as dificuldades. É importante ainda que o pai, por exemplo, entenda os limites da mulher e o quanto o estresse influencia nos hormônios e na produção e descida do leite materno.

Sendo assim, Semana Mundial do Aleitamento Materno 2019 está constituído em 4 pilares:

INFORMAR as pessoas sobre as ligações entre equidade de gênero na proteção social de mães e pais e a amamentação.

FIXAR valores amigáveis às mães e pais e normas sociais de igualdade de gênero em todos os níveis para apoiar a amamentação.

ENVOLVER indivíduos e organizações para obter o maior impacto.

REAFIRMAR a ação sobre a proteção social de mães e pais com equidade de gênero para promover o aleitamento materno.

De acordo com a Aliança Mundial para Ação em Amamentação (WABA, sigla em inglês):

“Existem muitas barreiras para a prática ideal da amamentação, sendo uma das maiores a falta de apoio aos pais, em especial no trabalho. O aleitamento materno é um esforço de equipe, que requer informação baseada em evidências científicas e uma cadeia calorosa de apoio. É preciso informar sobre a íntima relação entre a proteção social parental e a amamentação”.

Sendo assim, fica clara a relevância do papel de todos os envolvidos: pais, parceiros, famílias, locais de trabalho, comunidade, profissionais da saúde, uma vez que os benefícios da amamentação são significativos no desenvolvimento da saúde, social e econômico.

Ficou com dúvidas? Saiba mais como amamentar de forma confiante, entre em contato.

 

Aleitamento materno do bebê recém nascido

Qual a importância do aleitamento materno nos primeiros seis primeiros meses de vida do bebê recém-nascido?

Você sabe por que a Organização Mundial da Saúde aconselha que as mulheres façam o aleitamento materno nos primeiros seis primeiros meses de vida do bebê recém-nascido? Porque o leite materno é o alimento mais perfeito para as necessidades nutricionais, além disso, contém uma série de defesas orgânicas que o bebê só adquirirá depois do contato com os estímulos externos que podem gerar doenças no bebê recém- nascido. Durante a gestação da mulher, a placenta estimula a liberação dos hormônios estrogênio e progesterona, que são responsáveis por dar início ao complexo sistema que torna a lactação possível.

O aleitamento materno promove anticorpos contra as infecções mais comuns e diminui, assim, o risco de doenças e mortes infantis. Inicialmente, os bebês não possuem essas defesas e precisam recebê-las da mãe, através do leite. O colostro, primeira secreção láctea produzida pela mãe, após a gestação,  já transfere anticorpos para o sistema imunitário do bebê recém-nascido e assim o protege de muitas doenças. Nenhuma fórmula alimentar artificial se mostra igual ou superior ao leite materno, tanto nutricionalmente como em relação à prevenção de doenças.

Sobre a amamentação é importante conhecer tudo que pode esperar mãe e filho nos primeiros meses de vida juntos. Amamentar pode doer, é normal causar febre, entre outros sintomas e os desconfortos intensos ocorrem principalmente durante as primeiras semanas de amamentação, quando o seio ainda está se adaptando para os longos meses que virão pela frente. É uma fase de adaptação, mas pode atrapalhar o bebê mamar.

E quando desmamar o bebê?

Algumas mães escolhem, elas mesmas, o momento para parar e outras deixam que ele demonstre seu desinteresse pelos seios. Essa última atitude parece mais natural e é mais fácil de manejar. O desmame gentil parte do princípio de respeitar a criança e os desejos da mãe. É importante que o binômio mãe e bebê estejam felizes com a amamentação, pois tem que ser prazeroso para ambos, mas se em algum momento não for mais, a mãe pode recorrer ao desmame gentil e amoroso. Não é um desmame em que a mãe se ausenta de casa ou deixa o filho chorando no quarto ao lado por horas seguidas sozinho. No desmame gentil, a mãe acolhe a criança, conversa, regula as mamadas de dia, troca um momento de mamada por uma brincadeira juntos, faz ‘combinados’ para só mamar durante o dia, enfim, é algo mais amoroso e respeitoso. E também pode começar com o desmame noturno, tirar o peito aos poucos , em determinadas horas do dia e a criança passar a ter noites de sono sem interrupções. Entender a fisiologia do sono neste momento é muito importante para ter mais conhecimento a respeito do sono do seu filho e entender quando seria o momento ideal para fazer o desmame noturno.

Oferecer outro alimento e introduzir alimentos diferentes aos poucos é uma estratégia também. Muitas literaturas indicam o desmame aos dois anos de idade mas isso vai ser leve se seguir a rotina de vida da mãe e necessidades do bebê.