Facebook 8 horas

comunicação não violenta disciplina positiva parentalidade positiva cnv inteligência emocional

A comunicação não violenta (CNV) propõe uma nova forma de expressar nossos desejos e necessidades, optando por um caminho conciliador e pacífico. Essa linha de pensamento tem apoio em pesquisas e experiências do idealizador, o psicólogo Marshall Rosenberg, que vivenciou os benefícios de investir em uma comunicação mais empática (o que não significa uma comunicação amorosa, que pode manipular ao invés de observar e respeitar o outro).

A CNV vem sido colocada em prática desde a década de 1960 e o trabalho do pesquisador ganhou relevância ao tornar escolas americanas receptivas a brancos e negros, ajudando a combater o preconceito devido à cor da pele.

Bem, a comunicação não violenta é um modo de expressar que prioriza o fortalecimento de laços e a continuidade de bons relacionamentos pessoais. 

CNVInteligência emocional

Para a comunicação não violenta funcionar, é fundamental seguir os pilares da CNV. A técnica é baseada em competências de linguagem e comunicação que auxiliam na reformulação da forma como cada pessoa se expressa e ouve os demais.

A CNV mostra que as respostas a estímulos comunicacionais deixem de ser automáticas e repetitivas e passam a ser mais conscientes e baseadas em percepções do momento, por meio da observação de comportamento e fatores que têm influência sobre cada um.

Para que a comunicação violenta ocorra, é necessário se concentrar em quatro componentes:

  1. Observação.
  2. Sentimento.
  3. Necessidades.
  4. Pedido.

Quando falamos sobre fortalecimento de laços e de bons relacionamentos, também estamos nos referindo a disciplina positiva e a parentalidade positiva. Ambos os conceitos preconizam a comunicação não violenta e tem o objetivo considerar e relacionar com todos de forma respeitosa.

Em outra publicação já correlacionamos, a CNV à inteligência emocional. Mas aqui citaremos novamente. Elas se correlacionam porque não há CNV sem autoconhecimento, ou seja, sem a capacidade de administrar emoções e usá-las a nosso favor.

Existem cinco pilares da inteligência emocional:

  • Autorresponsabilidade.
  • Percepção das emoções.
  • Gerenciamento das emoções.
  • Foco.
  • Ação.

Disciplina positiva e comunicação não violenta

A comunicação não violenta também assume que todos compartilham o mesmo, necessidades humanas básicas, e que cada uma de nossas ações são uma estratégia para atender a um ou mais dessas necessidades.

É através dessa abordagem que podemos enxergar de maneira empática, as necessidades e dores das pessoas que nos relacionamos, uma vez que permitimos que o outro nos entenda e também mostre o que está acontecendo dentro dele.

Todas as nossas ações envolvem a tomada de consciência interna (do que está acontecendo dentro de você) e externa (o que está acontecendo com o outro) e depois disso, tentar resolver o que precisa ser resolvido dos nossos conflitos.

Já falamos dos passos a serem observados na CNV e isso é importante para que tenhamos conversas mais saudáveis e menos agressivas.

A auto-observação é o primeiro passo. Observe suas ações ou falas e observe também o próximo. Preste atenção como suas palavras e ações impactam no outro, gerando conflitos.

Após observar os pontos de conflito, volte para si mesmo e identifique os sentimentos que estão sendo aflorados dentro de você a partir das atitudes da outra pessoa.

Depois, identifique as necessidades geradas pelos sentimentos. Se sentiu frustrado? Qual necessidade que não foi atendida e que gerou essa frustração?

E, por fim, atenda às nossas necessidades e faça um pedido deixando claro as necessidades que desejamos que sejam atendidas.

Quer saber mais sobre comunicação não violenta, disciplina positiva, parentalidade positiva e inteligência emocional? Entre em nosso blog.