Benefícios da Criação com apego no desenvolvimento Infantil

beneficios-da-criacao-com-apego-no-desenvolvimento-infantil

Criando com apego e Parentalidade positiva – Birra e Manha: desafios da primeira infância

A criação com apego e a Parentalidade positiva ajuda os pais a despertarem uma visão e um comportamento mais empático dos pais com os filhos, sempre com o objetivo de identificar qual necessidade que o filho está tentando comunicar por trás daquele comportamento indesejado, desafiadores como a ‘birra’, desafios com o sono e com a alimentação.

A criação com apego tem interessado cada vez mais as pessoas e isso é algo maravilhoso. Mães e pais que utilizam da educação positiva e o apego seguro, se esforçam muito para promover uma relação de valor, criando o filho com um olhar mais empático, com foco principal em entender e atender suas necessidades, com paciência e serenidade.

Não estou afirmando que a criação com apego é a solução para todos os problemas, mas é o caminho mais assertivo, considerando que não devemos esperar que nossos filhos atendam nossas necessidades de bem-estar e sim, sermos os promotores de bem-estar para nossos filhos que crescerão através desta estrutura fortalecedora, desenvolvendo sua responsabilidade pessoal que se manifesta na responsabilidade social.

Criação com apego – Uma maneira diferente de lidar com seus filhos

Não estou falando que a criação com apego é uma criação que comprovadamente trará resultados e que sua vida vai ser bem melhor, que lhe dará filhos obedientes, quietos e independentes. Na verdade, o apego seguro é um caminho a ser trilhado para se aproximar dos filhos e criar um laço mais afetuoso, efetivo e positivo, que repercutirá por toda a vida.
Mas o foco da nossa conversa agora não é falar sobre isso. Estamos aqui para compreendermos como podemos lidar com os desafios utilizando do apego seguro e da educação positiva.

Pense na situação: você está em uma loja e precisa resolver vários outros problemas e seu filho te pede alguma coisa, um doce. Você sabe que não é o momento para um doce ele começa a fazer uma cena. Faz birra, chora, cruza os braços, grita, chora mais e, quem sabe, até se deita no chão e começa a espernear. Todos sabemos o quão é difícil lidar com situações como esta, concorda?

Bem, não tenha vergonha, primeiramente. Por mais que tenham pessoas ao seu redor observando toda a cena e, provavelmente, possam estar te julgando por não ser uma boa mãe ou um bom pai, ele é o seu filho.

Primeiramente, procure estar tranquilo (a) e entenda que as birras fazem parte do desenvolvimento da criança. Ela ainda não entende muitas das coisas que os adultos vivem e cabe a nós ajuda-la para que possa saber como administrar corretamente seus desejos repentinos.

Como lidar com as birras – Apego Seguro

Primeiramente, as birras não sobre você. Naquele momento a criança está com um sentimento grande demais para ela lidar de uma maneira ‘socialmente aceitável’. Ela não tem ciência de que aquilo está te afetando e nem faz isso de propósito. Por mais que as pessoas estejam te olhando, esperando que você tome alguma providência, não o faça.

Aquele não é o momento certo. A criança não vai absorver nada do que você queira passar.
Lembra que falamos que o apego seguro é sobre estreitar as relações entre pais e filhos? É sobre ter empatia e entender as necessidades da criança?

Pois bem. A dica é: não grite, não ameace com punições ou castigos a criança naquele momento. Tente ajudar o seu filho a lidar com o momento. Abaixe-se, olhe nos olhos, nomeie suas solicitações (“estou vendo que você deseja levar este objeto. É mesmo muito bonito!”). Não tente convencê-lo ou explicar a razão de não levarmos, não é sobre isso. Ela precisa mesmo perceber que foi entendida, que foi vista, e só isso já promoverá uma organização. E só então tente acalmá-lo, dando um abraço, e se achar necessário, peça para respirar fundo e tente falar, calmamente, sobre o que ele deve estar sentindo.
As vezes a criança está tão imersa em suas crises de choro que palavras podem não ser tão eficientes. Tente, nesse caso, abraçar a criança. Estar no colo de quem você ama e que te entende, sempre ajuda a calmar o coração. E não é diferente com nossos filhos.

Vimos que existem maneiras respeitosas de lidar com as crises de choro e birras da criança. E o apego seguro é uma ferramenta importante para ajudar nessas situações, pois a intenção sempre é acolher, respeitar, nomear as necessidades e estar ciente que todo desafio é oportunidade de desenvolvermos em nós a capacidade de corregulá-los.

Quer saber mais sobre a criação com apego? A Parentalidade positiva e o apego seguro? Entre em contato conosco e saiba mais sobre educação positiva, criando com apego e outros assuntos sobre os pequenos, inscrevendo-se na nossa mentoria ou na certificação para pais da Escola de Educação Positiva, a certificação em Atuação consciente.

Sinta-se abraçado. Estamos juntos nessa caminhada!

Parentalidade positiva e o sono infantil

parentalidade-positiva-e-o-sono-infantil

A Parentalidade positiva significa assumir responsabilidades e comportamentos para otimizar o crescimento e estimular o desenvolvimento da criança, respeitando sua integridade enquanto um ser único e independente.

A Parentalidade positiva pode influenciar em vários fatores da vida da criança, como o sono infantil, autoestima, confiança, entre outros. O apoio da Parentalidade positiva deve ser centrado em fatores protetores e considerar as necessidades da criança em cada uma das suas fases de desenvolvimento, particularmente até os 3 anos de idade, período de maior vulnerabilidade e de profunda dependência da criança face aos seus cuidadores.

A Parentalidade positiva, educação positiva e a educação consciente influenciam diretamente no crescimento da criança no que diz respeito a autoestima, integridade e independência. A valorização das emoções positiva como a felicidade, talentos e o saudável relacionamento social são essenciais para a construção de uma personalidade positiva e para o desenvolvimento do potencial da criança, além de promover segurança e bem-estar.

Sono infantil – Crescimento infantil

A Parentalidade positiva tem 5 dimensões:

  1. Compreender as necessidades físicas da criança como o sono infantil.
  2. Promover segurança da criança.
  3. Promover o desenvolvimento, comportamento e a estimulação da criança.
  4. Comunicar de forma positiva com o filho.
  5. Exercer uma disciplina positiva, educação positiva e consciente.

A qualidade das trocas afetivas entre pais e filhos e a sensibilidade dos pais para interpretar e responder às necessidades da criança com autenticidade e coerência são competências fundamentais no exercício de uma parentalidade eficaz, responsável e protetora. Mas como isso pode influenciar no desenvolvimento da criança?

Para começar, temos o apego seguro. A Parentalidade positiva, promove o apego seguro, que se baseia no entendimento dos pais quanto às necessidades da criança, respeitando os momentos e os sentimentos da criança, transmitindo segurança, carinho e conforto. Entendendo que suas necessidades são prioridade. Não em detrimento da vida do cuidador, mas encontrando um equilíbrio saudável, com consciência da fragilidade, dependência e demanda naturais da criança.

Depois temos e educação positiva, que é uma forma de educar com foco no afeto, compreensão, respeito e aprendizado mútuo. Nessa ideia, castigos e chantagens não são construtivos para o bom desenvolvimento da criança. O foco é dar ênfase no melhoramento da autonomia, otimismo e autoconfiança da criança, que levará isso para o resto da vida.

Maternidade Real – Disciplina Positiva

Em uma publicação falamos sobre a maternidade real e disciplina positiva. A maternidade real mostra como as famílias estão se movimentando para criar filhos emocionalmente saudáveis. Quando a criança nasce ela se envolve com sua mãe em um só campo emocional (fusão emocional, conforme Laura Gutman nos traz com maestria em suas obras).

A maternidade real é a percepção da criança com a mãe e o sistema familiar e sua resposta com a mesma intensidade. A criança fica ligada a mãe por toda a infância e ela percebe, sente e age de acordo com a mãe. Ela tem uma certa dependência emocional.

É aí que entra a disciplina positiva. Aplicar a disciplina positiva não só durante os primeiros anos da criança, mas sempre, com gentileza e firmeza ao mesmo tempo, pode ajudar a criança a desenvolver habilidades para construir relacionamentos mais saudáveis e sem dependência emocional.

 

Educação tradicional x Educação Positiva

parentalidade-positiva-apego-seguro-criacao-com-apego

O conhecimento pode ser transferido de uma pessoa para outra de várias maneiras. Seja de professor para aluno, de pai/mãe para filho e vice-versa. O caminho do conhecimento é uma via de duas mãos. Quando os pais pensam em escolas para os seus filhos, eles baseiam seus conhecimentos sobre o assunto em sua própria experiência educacional.

Muitos pais de hoje, viveram relações de uma educação tradicional, com hierarquia bem delimitada e nenhuma voz às necessidades da criança.

A criação com apego tem o objetivo de tornar a relação entre pais e filhos mais próxima. Além de ser uma prática saudável, ajuda a criança com o seu desenvolvimento e a torna mais independente. Mas o que a criação com apego, o apego seguro e a Parentalidade positiva influenciam no desenvolvimento da criança? Como o desenvolvimento da criança pode ser melhorado através dessas técnicas?

Em outros artigos falamos sobre a criação com apego, o apego seguro, a educação parental e o papel que os pais e uma educadora parental pode influenciar no desenvolvimento das crianças.

Educação positiva

A educação positiva consiste em dar foco às necessidades da criança e da família. É uma ferramenta poderosa e de comunicação não violenta. A comunicação não violenta é uma nova forma de se comunicar consigo mesmo e com o outro. Alguns definem como um método, mas é algo que faz a gente se conectar com nossos sentimentos e necessidades, ajuda a criar empatia e a pensar no outro assim como pensamos em nós mesmos.

Na educação tradicional os pais são uma figura principal do processo de ensino-aprendizado e pelo menos na cabeça da criança, são eles quem detém o poder e o conhecimento e estão ali para transferir para os filhos e é importante. No modelo tradicional o foco é a obediência, a disciplina.

Diferente da educação tradicional, a educação consciente positiva, os pais são mediadores que levarão a criança a construir seu próprio conhecimento em relação a si mesma e ao mundo. Como falamos, o foco também são as necessidades da criança. A comunicação é feita de maneira diferente. É uma comunicação sem culpa, sem julgamentos e de maneira gentil, não violenta. É um método que pode ser usado nas escolas, através de uma educadora parental e, na verdade, já vem sendo usada em algumas escolas que aderiram esse modelo.

Parentalidade positiva

Como muitos de vocês devem saber, e lembrar, se uma criança ou jovem sentia raiva ou falava de maneira grosseira com os professores seu comportamento era reprimido. Esse é o modelo tradicional de ensino. No ensino permissivo, os educadores se furtariam do dever de orientar a criança para uma postura adequada, justificando, muitas vezes, que é apenas uma criança ou um jovem, que é uma fase e que essa fase vai passar. Existem várias maneiras de usar uma comunicação não violenta com as crianças. Por exemplo:

De forma permissiva: “Tal aluno é um aluno problemático”;

Comunicação não violenta: “Tal aluno às vezes é agressivo e isso pode causar problemas”.

A comunicação não violenta e a educação positiva podem ser passadas para os pais. A mudança pode acontecer em casa, primeiramente. Mas a educação é algo que começa em casa e termina na rua. Nas escolas é importante que o corpo docente adapte e tenha profissionais conscientes da comunicação não violenta e que não sejam permissivos com as crianças. Do que adianta os pais educarem e, na escola, o contrário acontecer?

Gostou da postagem? Entre em nosso blog e fique por dentro das notícias sobre os baixinhos!

 

Criação com apego: como ensinar a alimentação saudável infantil

Ensinar seu filho a se alimentar de forma saudável é uma missão que exige bastante dedicação e, principalmente, postura exemplar dos pais. Para que essa missão seja cumprida com louvor, alguns pilares da criação com apego, baseada em educar com amor, comunicação não violenta e na disciplina positiva, te auxiliarão em mais essa tarefa.

Criação com apego: parentalidade positiva e disciplina positiva

A criação com apego é uma filosofia baseada na teoria da psicologia do desenvolvimento que possui como um dos pilares a parentalidade positiva (que engloba a disciplina positiva). Dessa forma, acredita-se que um relacionamento seguro e empático entre pais e filhos é um fator fundamental ao desenvolvimento físico e emocional da criança, bem como para resultados positivos na vida adulta.

Portanto, educar com amor tem sido interpretada como algo contrário ao autoritarismo:  como uma relação permissiva. A criação com apego é o meio termo, o equilíbrio necessário que te ensina a usar firmeza, empatia e gentileza ao mesmo tempo, sem a necessidade de aplicar a punição ou a recompensa como alternativas na criação do seu filho. Estou falando da prática da parentalidade positiva, que te permite vivenciar muitas filosofias que promovem conexão, como a disciplina positiva e a comunicação não violenta.

Para tanto, ao contrário do autoritarismo, a parentalidade positiva está intimamente interligada à disciplina positiva, que possui como pilar tratarmos nossos filhos da mesma maneira que trataráimos um adulto: com respeito e dignidade. A parentalidade positiva implica em educar com amor e com respeito mútuo, para que a educação tenha aconteça de forma construtiva. Através de ferramentas respeitosas da disciplina positiva e comunicação não violenta, para garantir um excelente desenvolvimento do seu filho.

Maravilhoso, não é?! Mas você deve estar se perguntando o que a criação com apego tem a ver com a alimentação saudável infantil. Acertei? Então vamos entender essa relação.

Criação com apego e a relação com a alimentação saudável infantil

Normalmente o momento das refeições costuma ser um pouco agitado e bem desafiador, pois é a ocasião ideal para ensinar ao seu filho o que comer, como comer, quanto comer. É dessa forma que as ferramentas da criação com apego, junto à disciplina positiva, irão auxiliar para que os resultados sejam mais satisfatórios, livre de repressão, autoritarismo e permissividade.

Assim como a amamentação em livre demanda, os momentos de refeições entre a família fortalecem os laços de afeto. Para tanto, é imprescindível aproveitar desses instantes para ensinar sobre a alimentação saudável infantil. Não estou falando apenas do alimento em si, mas todo o acervo que envolve os momentos da refeição. Veja só: Leve seu filho para a cozinha: deixe que ele participe da preparação dos alimentos. Seja lavar as frutas e verduras ou até mesmo quebrar um ovo. Esse contato com a alimentação saudável infantil, desde a sua preparação, fará com que seu filho aprenda mais sobre os alimentos, seus nutrientes, cores e aromas. Ademais, ele se sentirá mais motivo a se nutrir do próprio alimento que ajudou a preparar.

Um ponto fundamental no auxílio da alimentação saudável infantil é resistir às tentações. Utilize a disciplina positiva uma ferramenta importante: estabeleçam juntos qual dia da semana que ele poderá aproveitar as gostosuras. Claro, sempre com moderação (caminho do meio, sempre!).

Utilizar frases encorajadoras, principalmente nas ocasiões em que seu filho não deseja experimentar um alimento novo, é muito importante também. Diga frases como: “Filho, eu sei que será um esforço para você experimentar, mas você consegue! Vamos lá, coragem. Sinta o cheiro, apalpe o alimento, faça no seu tempo, estamos juntos. Mas faça, você pode”.

Por fim, entenda mais sobre as ferramentas de educar com amor, com apego seguro e disciplina positiva. Permita-se utilizar estratégias diferentes e, ao mesmo tempo, não se desespere para dar conta de tudo. Caso queira mais dicas de como inserir a alimentação saudável infantil por meio da criação com apego, continue acompanhando nossas postagens.

 

Parentalidade Positiva – Educação Positiva

A educação positiva não é um estilo de vida nem, tão pouco, uma moda. Não é uma ciência ou um conjunto de regras que tem de seguir. É uma filosofia que promove a relação entre pais e filhos com base no respeito mútuo e, porque esse respeito mútuo existe, a educação positiva da criança é feita de forma altamente construtiva.

A disciplina positiva é um método que não usa de violência, seja verbal (humilhação e berros) ou física (na forma de palmadas, por exemplo), olhando para as crianças como seres humanos inteiros. A disciplina positiva ensina que, antes de serem filhos, são pessoas. E, como pessoas pequenas que são, e que estão em crescimento, necessitam de apoio e orientação. Por isso mesmo, como educar seus filhos de maneira positiva pode ser a chave para que ele seja uma criança feliz.

Disciplina Positiva – Criança feliz

O objetivo da Parentalidade positiva é criar adultos íntegros, saudáveis e felizes. Mas como? Uma criança que é educada com base na Parentalidade positiva é uma criança que percebe e integra os limites que existem na sua vida.

A criança educada através da Parentalidade positiva percebe que os interesses das regras e acaba as executando e seguindo sem precisar do pai e da mãe ao lado. É uma criança disciplinada, incentivada a pensar, escutar-se e a escutar os outros, porque ela própria é escutada.

E quais os benefícios de como educar seus filhos através da Parentalidade positiva? Primeiramente, a criança sabe retardar a recompensa. Ela aprende a escutar e é escutada. Ela percebe mais facilmente que a sua felicidade depende de si e não procura justificativas ou culpados quando as coisas ocorrem mal. A criança cria uma boa autoimagem e que quer continuar a ter uma boa autoimagem de si. Além disso, a criança começa a desenvolver, precocemente, uma inteligência emocional e uma autoestima equilibradas.

Educação positiva – Práticas de Parentalidade positiva

Primeiramente, quando os pais estão felizes, os filhos estão felizes. Os pais, quando felizes, sentem-se mais capazes, com mais energia, mais paciência e mais capacidade de driblar aquela birra no final do dia, dar banhos, entre outras tarefas. Este é um ponto da Parentalidade positiva.

É importante prevenir os comportamentos e se a relação entre os pais e filhos for trabalhada em todos os momentos, a cooperação surge naturalmente sem ter de ser pedida quando é preciso.

A empatia, limites, compreender a natureza dos nossos filhos, respeitar os sentimentos, ser claros e concretos são alguns dos outros pontos chave para a Parentalidade positiva.

É importante que os pais se coloquem no lugar dos filhos, imponha limites de forma empática, sem gritar, ameaçar ou usar cara de mau. Importante compreender a natureza dos filhos, percebendo o que cada um precisa.

A criação de regras é importante. Mas em excesso pode ser um problema. Crie regras claras e que deixe todo o resto implícito.

Outro ponto importante é a Parentalidade positiva proativa. É necessário que os pais se adaptem às várias fases de desenvolvimento da criança e que responda de forma preventiva aos acontecimentos.

Por fim, a Parentalidade positiva não é uma Parentalidade permissiva. Ela estabelece os limites que as crianças precisam para as ajudar a desenvolver ao máximo o seu potencial. A Parentalidade positiva respeita os direitos das crianças e as educa num ambiente não violento.

WhatsApp chat