Parentalidade positiva e o sono infantil

parentalidade-positiva-e-o-sono-infantil

A Parentalidade positiva significa assumir responsabilidades e comportamentos para otimizar o crescimento e estimular o desenvolvimento da criança, respeitando sua integridade enquanto um ser único e independente.

A Parentalidade positiva pode influenciar em vários fatores da vida da criança, como o sono infantil, autoestima, confiança, entre outros. O apoio da Parentalidade positiva deve ser centrado em fatores protetores e considerar as necessidades da criança em cada uma das suas fases de desenvolvimento, particularmente até os 3 anos de idade, período de maior vulnerabilidade e de profunda dependência da criança face aos seus cuidadores.

A Parentalidade positiva, educação positiva e a educação consciente influenciam diretamente no crescimento da criança no que diz respeito a autoestima, integridade e independência. A valorização das emoções positiva como a felicidade, talentos e o saudável relacionamento social são essenciais para a construção de uma personalidade positiva e para o desenvolvimento do potencial da criança, além de promover segurança e bem-estar.

Sono infantil – Crescimento infantil

A Parentalidade positiva tem 5 dimensões:

  1. Compreender as necessidades físicas da criança como o sono infantil.
  2. Promover segurança da criança.
  3. Promover o desenvolvimento, comportamento e a estimulação da criança.
  4. Comunicar de forma positiva com o filho.
  5. Exercer uma disciplina positiva, educação positiva e consciente.

A qualidade das trocas afetivas entre pais e filhos e a sensibilidade dos pais para interpretar e responder às necessidades da criança com autenticidade e coerência são competências fundamentais no exercício de uma parentalidade eficaz, responsável e protetora. Mas como isso pode influenciar no desenvolvimento da criança?

Para começar, temos o apego seguro. A Parentalidade positiva, promove o apego seguro, que se baseia no entendimento dos pais quanto às necessidades da criança, respeitando os momentos e os sentimentos da criança, transmitindo segurança, carinho e conforto. Entendendo que suas necessidades são prioridade. Não em detrimento da vida do cuidador, mas encontrando um equilíbrio saudável, com consciência da fragilidade, dependência e demanda naturais da criança.

Depois temos e educação positiva, que é uma forma de educar com foco no afeto, compreensão, respeito e aprendizado mútuo. Nessa ideia, castigos e chantagens não são construtivos para o bom desenvolvimento da criança. O foco é dar ênfase no melhoramento da autonomia, otimismo e autoconfiança da criança, que levará isso para o resto da vida.

Maternidade Real – Disciplina Positiva

Em uma publicação falamos sobre a maternidade real e disciplina positiva. A maternidade real mostra como as famílias estão se movimentando para criar filhos emocionalmente saudáveis. Quando a criança nasce ela se envolve com sua mãe em um só campo emocional (fusão emocional, conforme Laura Gutman nos traz com maestria em suas obras).

A maternidade real é a percepção da criança com a mãe e o sistema familiar e sua resposta com a mesma intensidade. A criança fica ligada a mãe por toda a infância e ela percebe, sente e age de acordo com a mãe. Ela tem uma certa dependência emocional.

É aí que entra a disciplina positiva. Aplicar a disciplina positiva não só durante os primeiros anos da criança, mas sempre, com gentileza e firmeza ao mesmo tempo, pode ajudar a criança a desenvolver habilidades para construir relacionamentos mais saudáveis e sem dependência emocional.

 

Disciplina positiva para educar filhos – Fundamentos

educacao-positiva-sono-do-bebe

A disciplina positiva teve sua origem nos anos 20, mas somente nos anos 80 começou a ser divulgada, assim como seus benefícios na forma de educar as crianças. A educação positiva possui cinco fundamentos que propõe um modelo para compreender melhor o comportamento das crianças e a forma de abordar sua atitude com o objetivo de guiar as crianças através de uma perspectiva positiva.

A disciplina positiva para educar filhos é baseada na comunicação, amor e empatia. Ela propõe uma educação emocional com respeito e firmeza, não incluindo lutas de poder, controle excessivo ou permissividade.

Maternidade Real

Todos sabemos da dificuldade em ser mãe. É se doar a todo momento, pensar e estar com a criança 24 horas por dia. Se preocupar com o sono do bebê. É preocupante, dá medo. Medo de perder e de não conseguir aproveitar todo momento com os filhos. É normal se sentir assim. Gerar, parir, criar, maternar. É difícil, mas é bonito, solitário, intenso. E é para sempre. A maternidade real é o instinto materno, o amor incondicional, a responsabilidade vivida sozinha e compartilhada.

A educação positiva é uma prática fantástica e vem ajudando várias mães educarem seus filhos. Então, vamos aos fundamentos?

Educação positiva – Fundamentos

Existem hoje muitas filosofias que nos apoiam a responder aos desafios dos filhos, mas é importante entender que tudo começa de nós. Nosso autocontrole não será desenvolvido através destas ferramentas. Precisa ter tempo para cuidar de si mesma (seus ímpetos, suas dores, seus desejos) para então conseguir entender que não estamos aqui promovendo ferramentas para controlar os filhos, mas sim para nos auxiliar a nos conectar com eles. A aplicação da disciplina positiva como método de educação emocional pode trazer vários benefícios para os pais e a criança, pois promove o respeito. Isso impacta positivamente, inclusive permite que a relação com os pais seja mais leve e amorosa, o que ajuda no sono do bebê, entre outros diversos benefícios.

São 5 os fundamentos da educação positiva:

  1. Ser amável e firme ao mesmo tempo

Ser amável e firme ao mesmo tempo pode ajudar no bem-estar do filho e no próprio bem-estar. Ao ser amável com a criança, o respeito; ao ser firme, respeito a mim mesmo. Esse é um dos princípios mais importantes e faz uma referência a uma educação baseada no respeito mútuo.

  1. Ajuda a criança a sentir-se importe e pertencente

Ao incluirmos nossos filhos em nossas decisões diárias permitimos que se sintam importantes e que fazem parte do contexto familiar. Dessa maneira nos conectamos mais com eles, convidamos sempre a cooperar, escutamos e os levamos a sério.

  1. Eficaz a longo prazo

A disciplina positiva é um pensamento a longo prazo. Ela ajuda a guiar os filhos para buscar soluções que ajudem na solução de conflitos e problemas. Para conseguir isso é necessário que os pais se coloquem no lugar dos filhos a todo momento.

  1. Ensina valiosas habilidades para a vida

A educação positiva oferece aos filhos uma oportunidade de crescer com habilidades de vida necessárias para prosperar. É sempre necessário mostrar-lhes habilidades como responsabilidade, autocontrole, disciplina, empatia e respeito.

  1. Ajuda a criança a desenvolver suas capacidades e ser conscientes delas

A disciplina positiva ajuda a criança a descobrir suas capacidades e possibilita que elas confiem nelas mesmas. Torna as crianças mais autônomas e capazes de aprender com seus próprios erros. Sem julgamentos, castigos, anda que se equivoquem, ao ter confiança em si mesmos, aprenderão o correto e a corrigir os erros.

Gostou das dicas? Entre em nosso blog e fique por dentro das notícias sobre os pequenos.

 

Maternidade real, disciplina positiva e cama compartilhada

Maternidade real e disciplina positiva

E você? Vive uma maternidade intuitiva ou estuda para ser pai e mãe? Se respondeu sim às duas perguntas, você está praticando o que chamamos de maternidade real.

No mundo atual, as novas gerações têm hábitos completamente diferentes, impactadas pela tecnologia e globalização. Dessa forma, a maternidade teve que ser sim estudada e hoje vemos pais e mães cada vez mais procurando informação e conhecimento para entender os filhos e educar da melhor forma possível, sem dependência emocional, mas com vínculo e afeto, um tema em evidência na disciplina positiva.

A maternidade real mostra como as famílias estão se movimentando para criar filhos emocionalmente saudáveis e podemos ver muitas pecando neste assunto.

A criança, quando nasce, está envolvida com sua mãe em um só campo emocional, formando o seu corpo emocional nos primeiros dois anos de vida, principalmente. Ou seja, todas as vivências que a mãe vai ter até o segundo ano da criança, o que ela sente, pensa e age de alguma maneira a criança vai sentir, ela percebe o que está acontecendo com a mãe e com o sistema familiar e responde com a mesma intensidade. Isto é maternidade real.

A disciplina positiva baseia-se no conceito de que disciplina pode ser ensinada com firmeza e gentileza ao mesmo tempo, sem punição, castigo ou recompensa. Esta filosofia apresenta o caminho do meio entre o autoritarismo e a permissividade, resultando em mais de 50 ferramentas para ajudar a desenvolver habilidades para construir relacionamentos mais saudáveis e sem dependência emocional.

Mitos e verdades da cama compartilhada

Mas e a cama compartilhada nisso tudo? Bom, um terço do dia praticamente passamos dormindo e se você tem dúvidas de como fazer bebê dormir, podemos dizer que todo a outra parte do dia ou você está cansada ou angustiada esperando por uma boa noite de sono. O sono do bebê vai ser impactado pela qualidade do dia que ele teve. Se os pais deram atenção, olhando para ele com interesse e se comunicaram através de olhares, toques e afeto de verdade.

A cama compartilhada retrata a necessidade dos pais por não terem tido momentos com os filhos e vice-versa. O sono do bebê pode ser bem mais tranquilo e confortável ao lado dos pais que ele tanto se gosta e se sente seguro.

A cama compartilhada diz muito sobre como fazer bebê dormir, mas não tem certo ou errado, tem regras de segurança, para que nada de sério aconteça e prejudique a saúde ou a vida dos bebês. O assunto é polêmico e cada especialista da área defende uma tese, mas muito se fala sobre morte súbita de bebês e para isso é preciso atentar-se a segurança da família ao compartilhar a cama.

WhatsApp chat