criação com apego apego seguro educação parental educação positiva disciplina positiva

O conceito da Teoria do Apego surgiu a partir do estudo do vínculo desenvolvido por recém-nascidos com suas mães e outros cuidadores. Ela se estabeleceu através da necessidade de procurar entender melhor como os vínculos entre mãe e filho eram desenvolvidos. O apego seguro significa um vínculo afetivo ou a ligação entre um indivíduo e uma figura de apego (pais e/ou cuidadores).

Assim como a criação com apego, a educação positiva ajuda os pais a despertarem uma visão e um comportamento empático com os filhos. O objetivo é identificar a necessidade dos pequenos e tentar se comunicar por trás desse comportamento.

Já falamos em outras publicações que a criação com o apego não é a solução para todos os problemas, mas é um caminho de consciência que nos permite sermos mais assertivos com nossos filhos,  e que nos mostra que não devemos esperar que os pequenos se manifestem com relação ao nosso bem-estar, mas que somos nós quem proporciona o bem-estar deles. Isso faz com que a criança desenvolva maior responsabilidade pessoal, que se manifestará pelo resto da sua vida em responsabilidade social.

Tipos de apego seguro, disciplina positiva e os adultos

As pessoas com apego seguro tendem a ter opiniões positivas sobre si mesmas e sobre seus parceiros. Consequentemente elas tendem a ter opiniões positivas sobre seus relacionamentos.

Essas pessoas relatam maior satisfação em relação a si mesmas e, consequentemente harmonia em seus relacionamentos do que pessoas com outros estilos de apego. Elas se sentem seguramente confortáveis tanto com a intimidade quanto com a independência. Este é o resultado da vivência do apego seguro na infância.

Temos, também, o apego evitante, ambivalente e desorganizado e cada um mostra o nível de independência das pessoas, de comprometimento com relacionamentos, intimidade e dedicação com seus parceiros. Tudo isso acaba refletindo na criação com apego também de seus pequenos.

Pessoas com um estilo de apego evitante desejam um alto nível de independência. Elas, frequentemente, tentam evitar completamente a intimidade. Veem a si mesmos como autossuficientes e invulneráveis a sentimentos associados com estarem intimamente ligados a outros. Normalmente negam necessitar de relações íntimas.

No apego ambivalente, as pessoas buscam por altos níveis de intimidade, aprovação e receptividade de seus parceiros. Elas valorizam a intimidade a tal ponto que se tornam excessivamente dependentes de seus parceiros. Normalmente duvidam de seu valor como parceiros e culpam-se pela falta de receptividade de seus parceiros.

Pessoas com apego desorganizado têm sentimentos mistos sobre relacionamentos íntimos. Ao mesmo tempo que desejam ter relações emocionalmente íntimas, tendem a se sentir desconfortáveis com a intimidade emocional. São sentimentos confusos e combinados que, às vezes, inconscientemente, gera pensamentos e opiniões negativas sobre si mesmas e seus parceiros.

Cada um desses estilos de apego afetam no tipo de apego que as pessoas demonstram aos seus filhos. E existem muitos fatores que podem influenciar nossa adaptação ao vínculo com eles.

Educação parental Educação positiva

Sabemos que um bebê é incapaz de cuidar de si mesmo. Ele depende dos pais para conseguir alimento, contato, carinho, segurança, dormir e aprender sobre si mesmos e sobre o mundo. Pessoas com estilos de apego diferentes demonstrem isso de maneiras diferentes. 

A educação parental tem uma grande contribuição para os pais e para os filhos. Integra teorias e conhecimentos para orientação dos pais, responsáveis e escolas sobre como acompanhar e promover o desenvolvimento saudável das crianças dentro de uma perspectiva que envolve a autonomia, melhoria da relação familiar e ajuda no desenvolvimento pessoal de ambos.

Da mesma maneira, acontece com a educação positiva. A educação positiva é uma das ferramentas mais poderosas nesse meio. Se trata da comunicação não violenta, em aprender a se comunicar sem culpar, sem julgar e de maneira gentil, conectando pessoas e fortalecendo relações.

Todos esses fatores influenciam na possível mudança com que os pais podem ter com o seu tipo de apego. Permite-nos conscientizar do nosso comportamento e da nossa dificuldade em lidar com nossos filhos. Ter esta consciência faz-se crucial para criar um vínculo importante com nossos filhos.

Quer saber mais sobre a criação com apego, apego seguro, educação parental e a disciplina positiva? Entre em nosso blog.