Tipos de apego – Apego seguro e Parentalidade Positiva

tipos de apego parentalidade positiva apego seguro educação positiva educação parental

A teoria do apego e os tipos de apego surgiram a partir de estudos do vínculo que os pais desenvolvem com recém-nascidos. É um estudo que abrange os campos das teorias psicológica, evolutiva e etológica. Pode-se observar que dentro dessa teoria temas como apego seguro, educação positiva e educação parental também são abordados.

O apego seguro é um tipo de apego da teoria do apego, que é um modelo psicológico que tenta descrever a dinâmica das relações interpessoais de longo e curto prazo da relação pais-filhos e sua influência no desenvolvimento dos filhos.

A criação com apego começa antes mesmo da criança nascer e se estende para os laços entre adultos e, nessa postagem, vamos falar dos tipos de apego e sua relação com a parentalidade positiva, educação positiva e a educação parental.

Apego Seguro Tipos de Apego

O apego significa um vínculo afetivo ou ligação entre um indivíduo e uma figura de apego (pais e/ou cuidadores). Os laços podem ser recíprocos entre os dois indivíduos adultos, mas entre uma criança e um cuidados, são baseados nas necessidades de segurança e proteção.

A segurança e a proteção são fatores fundamentais na infância e a teoria do apego propõe que crianças se apegam instintivamente a quem cuide delas, com a finalidade de sobreviver e desenvolver tanto o físico, social e o emocional.

Dentro da teoria do apego tem um campo muito importante que é a parentalidade positiva. Ela é dada como a ação de ‘tomar conta’, em que ambos os progenitores, ou o pai ou a mãe, assumem responsabilidades e comportamentos para otimizar o crescimento e estimular o desenvolvimento da criança.

Dentro dessa vertente, é importante destacar que a integridade da criança deve ser respeitada, pois ela é um ser único e independente. A ideia é criar vínculo com os filhos de forma a gerar confiança, segurança e um relacionamento mais prazeroso entre as partes.

A educação positiva é uma prática do apego seguro que transforma o momento de pais e/ou cuidadores em momentos de dedicação completa, com respeito e carinho. O problema de uma criança dormir mal pode estar relacionado à falta de apego, por exemplo. Pode estar relacionada com o contato, o afeto, também.

Educação positiva Tipos de Apego

Existem padrões de vinculo que os adultos criam com outros adultos e esses padrões costumam ser categorizados em quatro principais tipos de apego: apego seguro, apego evitante, apego ambivalente e apego desorganizado.

  1. Apego Seguro

Pessoas com esse tipo de apego tendem a ter opiniões positivas sobre si mesmas e sobre seus parceiros e seus relacionamentos. Muitas vezes elas relatam maior satisfação e harmonia em seus relacionamentos do que pessoas com outros estilos de apego.

      2. Apego Evitante

Quem tem este estilo de apego deseja um alto nível de independência. Esse desejo, frequentemente, aparece como uma tentativa de evitar completamente o apego. Eles se sentem autossuficientes e invulneráveis a sentimentos associados com estarem intimamente ligados a outros.

      3. Apego Ambivalente

Nessa modalidade as pessoas buscam por altos níveis de intimidade, aprovação, e receptividade de seus parceiros, frente a um comportamento inconstante dos pais, de afastamento e aproximação. 

      4. Apego Desorganizado

Indivíduos com esse apego têm sentimentos mistos sobre relacionamentos íntimos. Por um lado, desejam ter relações emocionalmente íntimas. Por outro lado, tendem a se sentir desconfortáveis com a intimidade emocional. 

Quer saber mais sobre os tipos de apego? Entre em nosso blog e veja também sobre o apego seguro, educação positiva, parentalidade positiva e educação parental.

Apego seguro: lidando com os desafios da parentalidade positiva

parentalidade positiva parentalidade consciente educação positiva apego seguro criando com apego

O apego seguro é muito importante para a qualidade da relação afetiva entre pais e filhos e fortalecer essa relação ajuda a proteger a saúde mental das crianças. A parentalidade positiva, assim como o apego seguro e a educação positiva, ajuda os pais a despertarem uma visão e um comportamento mais empático com os filhos e isso os pais a observarem as necessidades vitais das crianças e atende-las de forma carinhosa e compreensiva. 

O apego seguro defende que todas as crianças estabelecem um apego com seu cuidador principal, mas ele pode ser seguro ou inseguro. Criando com apego depende da atenção que é dedicada aos filhos e na eficácia que os pais atendem às suas necessidades. O mais importante nesse processo é respeitar e aceitar os sentimentos do bebê/criança, dando-lhe consolo e segurança.

Criando com apego Parentalidade positiva

A parentalidade positiva é uma abordagem que é uma escolha,  de um caminho entre a parentalidade rígida (autoritarismo) e a permissiva. Ela rejeita tanto a punição quanto a permissividade e pressupõe que a criança pode desenvolver no seu tempo sua autonomia (sim, não precisamos ‘incentivar’ um contexto natural e saudável) e participar da tomada de algumas decisões, dentro do que é adequado para sua idade, do contexto familiar e de limites respeitosos.

A parentalidade positiva, ou parentalidade consciente, prega a ideia de que, bater ou castigar as crianças não as ensinará a lidar com os próprios sentimentos ou para terem comportamentos adequados. 

A parentalidade consciente parte de um pressuposto de que ao gerar um filho e, ao mesmo tempo que mãe e pai se preparam para o nascimento, também se devem preparar para a parentalidade. E existem 5 dimensões da parentalidade positiva que são importantes nesse processo.

  1. Compreender as necessidades físicas da criança.
  2. Promover a segurança da criança.
  3. Promover o desenvolvimento, comportamento e a estimulação da criança.
  4. Comunicar de forma positiva com o filho.
  5. Exercer uma disciplina positiva através do apego seguro e educação positiva.

Criar e educar os filhos da mesma maneira com a qual fomos criados ou indo para o extremo oposto pode não ser a melhor maneira de educar o seu filho. Não existe uma receita, fórmula, correta para educar seus filhos, mas existem pontos que podem ser relevantes para esse processo.

Educação positiva e os desafios da parentalidade positiva

A notícia boa é que é possível que um adulto transforme uma relação de apego inseguro para apego seguro. O primeiro ponto é cuidar de você e da sua relação com seus filhos. Existem várias maneiras de trabalhar esse aspecto, seja sozinho ou com a ajuda de uma educadora parental.

Existem casos que os pais não conseguem desenvolver um apego seguro com o filho porque ainda não têm ideai de onde começar, como agir e que crenças deve abandonar. Criando com apego envolve a transformação dos pais e do seu modo de pensar e agir para criar novas perspectivas para facilitar o processo de relação pais-filhos.

Às vezes é difícil para os pais prestarem atenção, conhecer bem seu filho para ser responsivo e assertivo, consciente, resiliente e, principalmente, saber consolar e sustentar quando a criança não se sente bem. Porém, com uma boa orientação e foco, você pode alcançar os pilares do apego seguro e da parentalidade consciente e positiva.

Gostou da publicação? Quer saber mais sobre parentalidade positiva, parentalidade consciente, educação positiva, apego seguro e criando com apego? Entre em nosso blog.

Como desenvolver o apego seguro – Criando com apego

como desenvolver o apego seguro criando com apego

Você sabia que o apego seguro é muito importante para a qualidade da relação afetiva entre pais e filhos? Você sabe como fortalecer essa relação? O desenvolvimento de um apego seguro protege a saúde mental dos mais jovens e sempre que tratamos de criação com apego, devemos focar nas crianças, ou melhor, nas necessidades vitais das crianças. Porém, será que os cuidadores estão preparados para favorecer esse tipo de relação?

O apego seguro é uma teoria que defende que todas as crianças estabelecem um apego que pode ser seguro ou inseguro. A criação com apego depende da atenção que é dedicada ao bebê/criança, na rapidez e na eficácia com que os pais atendem as suas necessidades, aceitando os sentimentos do bebê/criança e dando-lhe consolo e segurança.

Criando com apego é quando os pais aceitam as necessidades do bebê/criança e se comportam serenamente (como adultos que são) frente às necessidades, receios e insegurança dos filhos. O apoio é de extrema importância, assim como a atenção, o carinho e a empatia.

Educação positiva e o apego seguro

Algumas pensam que o natural é criar os filhos da maneira com a qual fomos educados, ou indo para o extremo oposto. Em qualquer caso, tomando como referência a sua própria experiência e as conclusões que se internalizaram a partir dela, nem sempre é a maneira adequada de educar seus filhos. Na verdade, não existe uma maneira correta de educar seus filhos. Existe um aspecto que pode ser relevante  para a criação dos filhos: nossa INTENÇÃO como pais.

Por exemplo, é muito difícil para um adulto ser capaz de dar ao seu filho um apego seguro se ele ou ela tem um apego inseguro ou ansioso, ou seja, se a intenção é acolher essa criança com assertividade, preciso cuidar de mim e da minha relação com meus filhos. Portanto, existem maneiras de trabalhar esse aspecto, seja sozinho ou com a ajuda de uma educadora parental. Com uma boa orientação e foco, você pode obter os 3 pilares fundamentais do apego seguro.

O apego seguro e a educação positiva são aspectos importantes do desenvolvimento infantil pelas seguintes razões:

  1. O apego é uma necessidade biológica partilhada por todos os seres humanos. Isto significa que as crianças necessitam de viver vinculados a outras pessoas que cuidem deles e os desejem (o mesmo acontece com os adultos).
  2. O apego seguro é importante porque é o “espaço vital de crescimento da criança saudável”. Isso significa que a qualidade do apego transmitida à criança vai influenciar o modo como se desenvolve e comporta no futuro.
  3. É a criação com apego que transmite à criança a sensação de segurança, autoestima, confiança e autonomia para enfrentar o mundo, de acordo com a qualidade afetiva que recebe dos pais.

Educadora parental – Desenvolvimento do apego seguro

Pode ser que em alguns casos, pais e cuidadores não consigam desenvolver uma relação de apego seguro com os filhos, e isso pode ser transformado com o apoio de uma educadora parental. Como falamos anteriormente, não existe uma maneira correta de educar os filhos, existem novas perspectivas que podem ser aplicadas para facilitar esse processo.

O que as crianças precisam é de segurança, auto estima, confiança e autonomia. Correto? Bem, nem todos os pais e cuidadores receberam isso quando eram crianças e isso pode refletir na educação com seus filhos. Vamos, então, a alguns aspectos que podem ajudar nessa criação de vínculo.

  • Prestar atenção – aprendam a reconhecer os sinais que sugerem que o bebê está incomodado.
  • Ser responsivo – a criança deve estar consciente que os pais se apercebem do seu mal-estar e que respondem de modo adequado às suas necessidades.
  • Ser consciente – para que as crianças desenvolvam um sentimento de segurança, os pais devem responder às suas necessidades de modo consistente e previsível.
  • Demonstrar aceitação – as crianças precisam perceber que ao pais/cuidadores aceitam o seu mal-estar ou o sofrimento emocional em vez de o condenar ou rejeitar.
  • Consolar – quando a criança não se sente bem, é importante que os pais a sosseguem e consolem para que se sinta aceite e em segurança.

Gostou da publicação? Quer saber mais sobre apego seguro, educadora parental, educação positiva e outros assuntos sobre os pequenos? Entre em nosso blog e fique por dentro das notícias.

Terrible Two – Saiba mais sobre essa fase

terrible-two-saiba-mais-sobre-essa-fase

Você já ouviu falar daquela fase em que a criança se torna bem difícil? Sim, aquela dos dois anos de idade. Conhecida, também como Terrible Two, a crise dos terríveis dois anos faz menção a um fase em que a criança está deixando de ser bebê, mas ainda não tem a inteligência emocional de uma criança mais velha. Entre choros e birras, essa fase precisa de compreensão dos pais e nós temos algumas dicas sobre como lidar com o Terrible Two utilizando da criação com apego e educação positiva. Desde já indico uma literatura imperdível, que nos prepara para cada fase de desenvolvimento da criança: Já tentei de tudo!

O Terrible Two é uma fase em que aquele bebê carinhoso, sossegado, que só faz caretas e que os pais derretem, passa a se sentir capaz em demonstrar suas necessidades e LUTAR por elas. A tão desejada autonomia chega aos poucos e fica muito representativa nesta fase. Normalmente a criança começa com birras, gritos e choros incessantes. Mas o por que isso acontece? E como utilizar do apego seguro para lidar com essas situações? Como lidar com esse tipo de comportamento? Criando com apego pode ser uma saída. Afinal, o apego seguro não fala sobre a compreensão, a empatia o atendimento às necessidades da criança? Vamos às dicas!

Criando com apego – Terrible Two

Crianças gostam de rotinas. Elas gostam de um dia-a-dia estruturado para que possam antever e saber o que esperar em cada momento e situação. Isso garante segurança e pode evitar muitos desafios. Por exemplo, estruture uma sequencia: acordar, brincar, descer para o parque, almoço, soneca, brincadeira, banho, janta…enfim, o que fizer sentido para a idade e necessidades fisiológicas da criança.

No terrible two as crianças gritam, e muito. Elas estão aprendendo a expressar suas emoções e sentimentos. Nós adultos sentimos vontade de gritar as vezes (muitas vezes), e não é diferente com os pequenos. A diferença é que, na maioria das situações, eles não conseguem controlar o grito porque não tem desenvolvimento cerebral apto à autorregulação. Na criação com apego utilizar do grito não é uma técnica válida, pelo contrário, ela só vai alimentar a gritaria. Respire fundo, mantenha a calma, fale firme, e siga em frente. É assim que eles aprendem pouco a pouco, dia a dia, a se regularem: sendo corregulados.

Por mais que você pense que tudo que você fala com a criança entra num ouvido e sai pelo outro, não é assim que acontece. As crianças de 2 anos compreendem, cada vez mais, as coisas e os porquês. Porém, a expectativa de que farão aquilo que pedimos é que é falsa. Estão numa fase de lutarem por sua integridade e é o momento de começarmos a exercitar nosso músculo da empatia e do respeito. Mais uma vez caímos no apego seguro e na educação positiva. Uma das principais bases da criação com apego é a paciência para com o seu filho.

Criação com apego – Terrible Two

Para finalizar, temos algumas outras dicas sobre a fase do Terrible Two. Inicialmente, é importante saber que a criança pode dar uma crise em qualquer lugar. Certo? E é aí que entra o que os pais mais temem: a criança se jogar no chão e abrir o ‘berreiro’.

A mudança de ambiente muitas vezes pode irritar as crianças. No supermercado, no shopping, ou até mesmo na padaria. Quando a criança der uma crise em um ambiente diferente, tente levá-la ao ar livre (tirá-la do ambiente que disparou o ‘gatilho’). Isso simplesmente pode acalmar os ânimos da criança e a ajuda a ficar mais calma. Não adianta xingar, brigar, e/ou ignorar seu protesto. Nenhuma  destas atitudes desenvolvem habilidades de vida, ou seja, uma vez que entendemos que somos espelhos, se esperamos que tenham atitudes de autorregulação, devemos ser instrumentos de exemplo e apoio para a regulação emocional, deles.

E, por fim, vamos falar de autonomia. Na criação com apego a ideia é apoiar a criança, compreendê-la e atender às suas necessidades com apego e segurança. Mas, aos dois anos de idade, isso pode vir como um suporte para deixar a criança um pouco mais autônoma. Ela vai gostar de comer sozinha, pentear o cabelo, escolher suas roupas, sapatos, ajudar a cozinhar, entre outras tarefas. Ela precisa se sentir segura para tais tarefas, logo, ofereça ajuda quando necessário. E, acredite, quanto mais autonomia você der, mais confiante e realmente capaz seu filho vai se tornando.

Gostou das dicas? Aqui, em nosso blog sempre trazemos dicas e novidades sobre criação com apego, apego seguro e educação positiva.

Como melhorar o sono do bebê – Rotina do sono

como-melhorar-o-sono-do-bebe-rotina-do-sono

O comportamento de sono é um reflexo do dia. Nós adultos sabemos que o nosso dia a dia afeta nossa rotina do sono e com nossos filhos é a mesma coisa. O estresse pode fazer com que você não tenha uma boa noite de sono, com sono leve e pouco relaxamento. O estresse pode atrapalhar, também, o sono do bebê. Sim as crianças se estressam, e bastante, principalmente por elas ainda não saberem lidar com certos tipos de sentimentos.

As vezes as crianças estão estressadas e nem imaginamos que isso está acontecendo ou pode acontecer. Muitos pais questionam quando irão conseguir dormir uma boa noite de sono novamente, especialmente depois que o bebê nasce.

Não é fácil aguardar até que os pequenos encontrem um bom ritmo de sono e as vezes isso pode gerar uma certa angústia para a família. Reclamar que “meu bebê não dorme” é algo comum entre pais de primeira viagem, e até em pais de segunda, terceira e quarta viagem. É comum demorar a se acostumar com o sono infantil e adaptar o seu filho com uma boa rotina do sono.

Vamos falar um pouco sobre o sono infantil e como melhorar a rotina do sono da criança, criando com apego, respeitando e compreendendo as necessidades fisiológicas dos pequenos?

Meu bebê não dorme – Educadora parental

É de extrema importância saber que o ciclo de sono recebe influências biológicas, ambientais e sociais. Conhecer as peculiaridades de cada fase norteia as expectativas dos pais, permitindo fazer ajustes de hábitos. A evolução da rotina do sono é um processo que exige mais tempo do que treinamento.

Não existe uma receita certa, mas uma educadora parental em Sono e Apego Seguro pode ter sim um olhar para o todo,  é capaz de ajudar a entender essa necessidade fisiológica da criança, necessidade básica da vida e que influencia no crescimento e no desenvolvimento saudável da criança e suas necessidades emocioanos, trazendo à família a oportunidade de um novo olhar e atitudes que promovem o Apego Seguro e, consequentemente, um sono saudável para as crianças.

Um olhar especial que a educadora parental em Sono e Apego Seguro tem sobre a hora do sono é que o tempo que a criança demora para relaxar e se entregar ao sono é uma oportunidade para passar um tempo de qualidade com eles. Às vezes eles estão necessitados de uma atenção maior, e é aqui que você deve aproveitar.

E, como esperado, o comportamento dos pais influencia diretamente no processo de pegar no sono das crianças. Se transmitimos sentimentos agitados e apressados, mais atrapalhamos o processo deles. Logo, que leve o tempo que for para que eles consigam dormir. Aproveite esse tempo. Dê atenção e amor.

Criando com Apego – Rotina do sono

Observe a criança durante o dia, observe suas sonecas e a hora de dormir, analise se o cortisol não está impedindo que durmam com facilidade. Se as sonecas estão boas e, mesmo assim eles não adormecem facilmente, avalie se o tempo com que vocês passam está sendo o necessário. Se precisa entender mais profundamente sobre a rotina, ritual do sono e atitudes que promovem o bom comportamento de sono e ainda tem dúvidas sobre o apoio de uma educadora do sono, adquira nossa Mentoria em Sono e Apego Seguro.

É impossível medir a quantidade de tempo que passamos com nossos filhos. Eles não têm esse relógio que nós temos, de ficar contabilizando o tempo de convívio com os pais. Eles conseguem perceber o tempo que se sentiram vistos, importantes e amados.

A criação com apego tem isso como base! Ceder às necessidades das crianças, respeitar e ter empatia por seus sentimentos. Se eles não estão satisfeitos com o tempo em que estão passando com os pais, passe mais tempo com eles.

Vamos a algumas dicas, então:

Para ajudar, antes de dormir, observe sinais do sono, faça um ritual todos os dias para prepará-los para dormir, regule horários, cochilos durante o dia, veja a temperatura do ambiente, a luminosidade e mantenha silêncio, também evite brincadeiras agitadas.

Por fim, a cama deve ser adequada, plana, com colchão firme, sem objetos soltos como brinquedos. Evite tudo que for estimulante, como telas (celulares e tablet), na cama ou perto da criança na hora de dormir.

Quer saber mais sobre a criação com apego, apego seguro e a rotina do sono do bebê? Aqui no blog mantemos você informado sobre educação positiva, desmame, sono do bebê, criando com apego e outros assuntos.

Como iniciar um desfralde? Criação com apego seguro

como-iniciar-um-desfralde-criacao-com-apego-seguro

Cada criança tem o momento certo para o desfralde e é importante saber como deixar essa fase de “como tirar fralda” mais tranquila e sem medos. Por ser um dos grandes desafios da maternidade, é um processo que ainda exige muita atenção dos pais, pois consiste em promover o desejo do pequeno a pedir para ir ao banheiro, quando a vontade de fazer xixi ou cocô surgir.

A criação com apego e a educação positiva são bases que podem ajudar os pais a conseguirem passar por uma fase que é consideravelmente natural, mas se torna difícil ao olhar dos pais porque acreditamos que devemos ‘forçar’ o processo. Uma das bases do apego seguro é atender e responder às necessidades de uma criança com atenção, carinho e, principalmente, com segurança. E aqui inclui o olhar atento ao desenvolvimento da criança e perceber que ela está pronta para o processo, ou seja, ela apresenta capacidade motora e cognitiva para essa fase! Neste post vamos falar sobre o desfralde e sobre como lidar com esse processo, utilizando da criação com apego e da educação positiva, principalmente.

Como tirar a fralda – Apego Seguro

Seu filho está crescendo e descobrindo o próprio corpo. Percebendo mãos, pés e também as suas necessidades. O desfralde é o momento em que a criança passa a perceber que aquilo que está na fralda é ela quem faz. É uma mudança grande na capacidade de autopercepção, diferente de tudo o que a criança já passou antes.

É um processo que todas as crianças passam. E elas passam, tenha certeza. Mas tudo tem seu tempo certo. Não existe uma idade precisa para fazer essa passagem, mas os especialistas afirmam que antes de 2 anos a criança não tem maturidade para encarar essa mudança (uma demonstração de capacidade motora importante é: tirar e colocar roupas sozinho e pular com os dois pés).

Mas como tirar fralda, qual o momento certo? Normalmente o desfralde começa entre 18 meses e 4 anos de idade. Caso você insista antes, você pode se estressar e isso não trará qualquer benefício para ele.

Lembra que falamos sobre o respeito às necessidades dos filhos? Sim, o apego seguro entra aqui, principalmente aqui. Sabe-se que existe um momento ‘X’ da vida da criança em que ela vai sentir a necessidade e vai perceber a hora de mudar, cabe aos pais perceberem isso, dar atenção necessária, com carinho, empatia e segurança.

Como iniciar o desfralde – Educadora parental – Dicas

Vamos a algumas dicas para as mães e pais sobre como acompanhar a retirada da fralda (e não ‘como tirar fralda’. O processo depende de atender e respeitar as necessidades da criança.

A primeira informação é:  observe e apoie a retirada das fraldas no período do dia. A criança só vai dormir sem fralda depois que deixar de usá-las durante o dia. Outra dica é começar no verão. Prefira o verão. Durante o processo a criança vai fazer xixi na roupa algumas vezes até conseguir controlar e, durante o verão, é mais fácil de deixar a criança molhada ou com poucas roupas, como só de cueca ou calcinha.

Mesmo no começo, quando a criança ainda não souber identificar e controlar suas necessidades é importante entender que esse não é MESMO o momento indicado para que você o encoraje a ficar  sem faldas por algumas horas em casa ou na escolinha.

Como falamos, o apego seguro e a educação positiva têm como base compreender, ter empatia, e entender as necessidades das crianças e, além disso, receber a informação e tratar com atenção, carinho e segurança que a criança necessita. Logo, caso a criança faça algumas necessidades em situações inconvenientes, como em festas de colegas ou lugares públicos, é importante que os pais não briguem com a criança. Isso irá diminuir a confiança e segurança da criança nela mesmo, e nos pais.

O desfralde é uma fase complicada e cada vez que os pequenos conseguirem fazer xixi no lugar certo isso deve ser valorizado sem muito alarde, para que ela não associe seu valor com atitudes e sim, sentir-se amada independente das suas atitudes. Elogiar não encoraja uma criança, mas a torna dependente de elogios e insegura.

Quer saber mais sobre a criação com apego, apego seguro e educadora parental? Através do nosso blog você fica por dentro de temas sobre educação positiva, desmame, desfralde, criando com apego e outros assuntos.

WhatsApp chat